categoria12 category image

Risa Rodil fazendo arte

24 . março . 2015

Já mencionei em posts anteriores que acho lindo o dom de algumas em ilustrar, criar, imaginar e passar tudo isso para um papel. Eu sou uma negação, acreditem. Apesar disso sempre gosto de conhecer ilustrações novas e trabalhos incríveis na Internet. Navegando pelo Tumblr e alguns blogs amiguinhos conheci o trabalho incrível da ilustradora Risa Rodil.

Risa tem 21 anos e é ilustradora, designer, amante de livros e nerdfigther. Seu tipo de arte envolve tipografias brilhantes e coloridas e ilustrações no estilo retrô.
A razão pela qual ela faz o que faz é super simples: ela simplesmente quer criar coisas bonitas. Espalhar e compartilhar maravilhas pelo mundo, arte por arte.


Tumblr | Twitter

Impossível não se perder na página da Risa, cheia de ilustrações e tipografias incríveis, algumas baseadas em livros, séries televisivas e filmes, todas com muita criatividade, fofurice e cores.
Eu me apaixonei, exclusivamente, pelos projetos de bookcover ilustrados pela Risa. Algumas até deveriam virar capa de livro, mesmo!

Eu me apaixonei completamente pela fofurice das capas de Rainbow Rowell, muito delicadas!

Tenho certeza que vocês já encontraram essas imagens em redes sociais, não é mesmo? Pois são todas criações da Risa! Muito talento, né?

Além disso, a Risa tem uma lojinha online que disponibiliza vários produtos com as suas ilustrações em destaque. São canecas, almofadas, quadros, ecobags, camisetas, cases para celular e laptops, entre outros! Acessem o Risa Rodil Shop e se preparem!

Quem se apaixonou levanta a mão?? \o
Futuramente quero fazer algumas comprinhas na loja da Risa e espero trazer um post sobre os produtos aqui no Di Moça!
Um beijo e até o próximo post!

categoria1 category image

Follow Me On (Vem Comigo)!

31 . janeiro . 2014

Quando o Luciano, consultor e designer na empresa Omelete Gestão Criativa compartilhou no meu Facebook o projeto Follow Me On eu fiquei pasma com tanta criatividade!
Murad Osmann é um fotógrafo que, sempre que viaja, fica preocupado com sua câmera não importa onde esteja. Nataly Zakharova, sua companheira de viagem, já frustrada com Murad tirando foto de tudo quanto é lugar, a mulher literalmente recorreu à ideia de arrastá-lo pela mão de um destino a outro para mantê-los sempre em movimento e disse “Follow Me On” (Vem Comigo). Em Barcelona, ao vê-la puxando sua mão para irem adiante, Murad registrou a cena e atualmente as fotos viraram sucesso em várias redes sociais como Instagram, Facebook e Google+! O projeto Follow Me e, a cada novo destino, uma foto diferente.

1. Moscow (Russia) | 2. Eze (France) | 3. Praktik Hotel – Madrid (Spain) | 4. Barcelona (Espanha) | 5. Central Park (New York City) | 6. Brick Lane – Londres (Inglaterra) | 7. Blue Mosque – Estambul (Turquia) | 8. Monaco | 9. Versace Mansion – Miami (Florida) | 10. Estambul (Turquia) | 11. Benidorm (Espanha) | 12. Alhambra (Granada) | 13. Alpes Franceses | 14. Courchevel (Milão) | 15. Mouling Rouge (Paris).

Adorei a manipulação das imagens e os cenários são fantásticos! Nas redes sociais vocês podem deslumbrar outros cenários maravilhosos!
Bem que eu queria seguir o projeto mas preciso de alguém pra puxar a mão, né? -.-‘ #detalhebásico
Beijos di moça!

categoria12 category image

Eu sou feita de simbologia (tatuagens)

21 . janeiro . 2014

Na minha wishlist de Dezembro acrescentei as tattoos como desejo do mês. Eu já tinha ideia dos desenhos que eu queria mas, quem já tem tatuagem sabe, é muito difícil escolher uma logo de “cara”. Porque, afinal de contas, tatuagem é uma arte (uma das formas de modificação do corpo mais conhecida no mundo todo) que exige atenção e cuidados porque seu procedimento é irreversível (estamos em pleno século XXII e as técnicas de remoção ainda não foram totalmente aprimoradas).

Quem acompanha o blog sabe que eu já tinha três tatuagens. As três foram feitas logo que completei 18 anos e cada uma tem um significado para mim. A primeira de todas foi a do passarinho segurando a faixa com Jack Sparrow dentro e me inspirei na tatuagem no braço do Johnny Depp. Foi logo que assisti ao filme Piratas do Caribe e me encantei com a atuação do ator. Não vou mentir para vocês: fiz a tatuagem meio que na “loucura” e, se eu pudesse pensar melhor, teria feito outro desenho ou representado de alguma outra forma. Mas a primeira tatuagem a gente nunca esquece, independente do motivo.
A segunda e a terceira foram feitas no mesmo dia e, se não me engano, eu já tinha meus 19 anos. Eu sempre gostei de Lua, de dormir, de sonhar e quando encontrei esse desenho não hesitei: pedi para ser tatuada. Desde 1987 é o meu ano de nascimento e representa o tempo que estou neste mundo. Só depois que eu vi quantas marcas de vinho, cervejas e roupas aderiram ao “desde” em suas logos -.-‘.

Existem muitas provas arqueológicas que afirmam que tatuagens foram feitas no Egito entre 4000 e 2000 a.C. e também por nativos da Polinésia, Filipinas, Indonésia e Nova Zelândia (maori),tatuavam-se em rituais ligados a religião.1
A Igreja Católica na Idade Média baniu a tatuagem da Europa (Em 787, ela foi proibida pelo Papa), sendo considerada como uma pratica demoníaca, comumente caracterizando-a como pratica de vandalismo no proprio corpo, afirmando em sua doutrina como maneira de vilipendiar o templo do Espirito Santo, o corpo, levando seus fiéis a uma forma verdadeiramente reta de louvor a Deus. Durante a Segunda Guerra Mundial, a tatuagem foi muito utilizada por soldados e marinheiros, que gravavam o nome da pessoa amada nos seus corpos.

Wikipédia

Depois de tantos acontecimentos, tantas mudanças e momentos resolvi fazer mais três tatuagens, cada uma representando uma terapia na minha vida desde que fui diagnosticada com crises de pânico e depressão. Desde 2008 venho lutando e enfrentando essas crises que, de certa forma, paralisaram cinco anos da minha vida. Ainda não posso dizer que estou cem por centro recuperada mas eu sei que estou quase lá.
Assim que decididos os desenhos a serem tatuados, recorri a um dos melhores e mais procurados tatuadores de Campo Grande (MS), Adham. Primeiro conversamos muito via Facebook para que agendássemos um bate-papo e sanar todas as minhas dúvidas. Eu queria tudo meio que pra ontem, sabem como é pessoa ansiosa, e o Adham conseguiu me manter nos eixos, garantindo um bate-papo logo logo.
Dito e feito: fui ao estúdio conversar com ele. Além de ser super talentoso é um profissional muito simpático, adorei! Sabe quando rola aquele “feeling” e você diz “esse cara é dos meus”? Pois é! Conversamos sobre todas as possibilidades, confessei todos os meus medos, minhas dúvidas e o significado de todos os desenhos. Assim que tudo foi definido marcamos a sessão para quem desistisse de alguma sessão primeiro – porque o Adham é muito requisitado, ui!
Eu estava super ansiosa, torcendo para que o Adham entrasse em contato antes que eu gastasse todo o meu dinheiro em Gramado (ai que saudades de Gramado, gente!). Enfim, a sessão foi marcada para uma semana depois que eu retornasse e… voilà, sou toda nova-simbologia!

Devo dizer que o Adham e toda a equipe foram super atenciosos comigo, desde a galera que fica na recepção até os outros tatuadores. Eu já tinha deixado claro as minhas condições de “saúde” para o Adham e ele tornou nossa sessão super agradável, com um bate-papo sobre aleatoriedades (e tatuagens também, por que não?) e o tempo passou voando. Claro, chegou uma hora – para ser exata quatro horas depois – que eu comecei a ficar impaciente e paramos por ali mesmo. Caso contrário eu estaria com mais duas no corpo.

Birdcage e pássaros: A primeira tatuagem que fizemos foi a gaiola de passarinhos aberta e os dois pássaros voando. A gaiola representa minha síndrome do pânico e minha depressão. Um dos pássaros sou eu e o outro é Jesus Cristo, meu libertador. Eu sou cristã e acredito piamente em Jesus Cristo e na liberdade que Ele me deu ao morrer por mim na cruz. Ao invés de eu tatuar uma cruz ou o peixinho cristão, fiz os dois passarinhos.
Não vou mentir, eu ainda faço tratamento e talvez meu caminho ainda seja de muitas dores e lutas contra a depressão mas eu sei que não estou sozinha. Nunca estive.

Libélula: Logo após retocarmos as palavras Desde 1987, fizemos uma libélula na parte interna do meu braço. No mundo, existem cerca de 5 mil espécies de libélulas. No simbolismo, representa a imortalidade, a regeneração, a liberdade, mudança e iluminação. Os japoneses escolheram a libélula como símbolo de alegria e nova luz. Eu achei super bacana esse simbolismo e resolvemos colocar a libélula ali no cantinho do meu pulso.

Livro: Apesar de ser o desenho mais simples, talvez seja o mais significativo na minha vida. Devo reforçar que eu não sou bookaholic devoradora-de-livros. Pelo contrário, demoro séculos para terminar um livro. Quando eu comecei os tratamentos para crises de pânico e depressão eu ficava muito tempo em casa. Não tinha outros planos e qualquer um que viesse me deixava aturdida. Eu precisava me inserir novamente no mundo mas eu não sabia como. Foi através dos livros que eu me aventurei em outras vidas, outras histórias e outras situações. Aos poucos, fui me inserindo novamente à realidade, primeiro com o blog, depois com os vídeos e com o tempo fui me readaptando. Esse processo perdura até hoje. Sempre que me encontro em crise existencial ou meus momentos de depressão são mais fortes, abro algum livro e me jogo na vida de outra pessoa. Hoje eu estou bem melhor que quatro anos atrás, quem me conhece sabe. E acredito que ainda regozijarei de muitas vitórias!

Câmera fotográfica: No tríceps do braço esquerdo, fizemos essa máquina fotográfica um pouco mais “fofinha” representando minha terapia com a fotografia. A fotografia surgiu mais tarde, dois anos atrás quando eu consegui fotografar no modo “macro” uma florzinha muito encantadora. A partir de então eu queria “futricar” a câmera de cima a baixo e resolvi aprender mais sobre essa técnica tão encantadora. Comprei uma câmera semi-profissional, me inventei e me reinventei sob as lentes dela e hoje vejo que minha vida sem uma câmera seria totalmente sem graça. Já tenho uma Nikon D7000 e estou constantemente tentando aprender mais sobre a arte da fotografia.

Desabafos:

• Aqui em casa todos somos tatuados (inclusive minha mãe). Meus pais são separados, então assim que eu completei 18 anos fui atrás da minha primeira tattoo. Porém, durante quatro anos da minha vida só usei roupas compridas e tentava de todos os jeitos esconder minha tatuagem no braço do meu pai. Ele nunca foi a favor de tatuagens e eu não queria causar discórdia entre nossa relação. Ao invés de eu ter uma conversa com ele sobre o assunto, fiz as tatuagens e escondi durante todo esse tempo. Gente do céu, que sufoco! Éramos meus irmãos e eu correndo como loucos dentro do quarto para pegar uma blusa mais comprida quando ele batia no portão de casa. Hoje eu acho engraçado mas na época era sufoco, morrendo de medo de sermos deserdados. Depois que ele descobriu não foi o auê que eu pensava que seria mas ele ainda não sabe que eu fiz mais tatuagens, ai que medinho!

• Eu já tive três piercings (língua, nariz e umbigo) e fui tirando aos poucos, à medida que os estágios no curso de Turismo me obrigavam.

• A maioria dos cristãos não vê problemas com a prática, enquanto uma minoria usa a visão dos Hebreus contra as tatuagens baseado no livro de Levítico da Bíblia. Eu ainda passo por situações constrangedoras por parte das pessoas que são contra tatuagens, mas o que eu peço é o respeito. Acredito que Deus não deixará de me amar ou de me salvar porque acrescentei desenhos no meu corpo (desenhos, aliás, que não têm maldade ou mensagem maligna alguma). Eu não vou enfatizar esse assunto porque cada um tem a sua opinião formada, só peço respeito em relação à minha pessoa. E, sim, eu sou cristã!

• Eu tinha me esquecido que tatuagem coça quando a casquinha está se formando. o.O

Dicas:

Muita gente enviou perguntas sobre tatuagens por inbox e pelo formulário de contato do blog. Obrigada a todos por participarem da coluna que lancei no Instagram! E, para responder todas de uma forma mais rápida, seguem os tópicos que acho importante vocês levarem em consideração:

• Antes de fazer uma tatuagem, tenha certeza o por quê você a estará fazendo. Responda à pergunta “por que eu quero fazer essa tatuagem?”. Se a sua resposta for “porque está na moda”, “porque meus amigos têm”; “porque meu namorado gosta” ou “sei lá” então é melhor você esperar mais um pouco até ter uma resposta mais convincente.

• Pesquise sobre tatuadores na sua cidade. Informe-se com quem já tatuou no estúdio e obtenha o máximo de informações que puder.

• Converse com o tatuador, tire todas as suas dúvidas e tenha certeza de que o estúdio é certificado pela Anvisa e se seguem todas as normas e regulamentações de segurança determinadas pelo órgão (como ter um ambiente esterilizado e o uso de materiais descartáveis utilizados para a realização da tatuagem).

• Siga todos os conselhos de cuidados com a tatuagem que o seu tatuador lhe der. Alguns tatuadores trabalham de forma diferente até nos cuidados depois de tê-la feito. Por exemplo, alguns tatuadores recomendam o uso de filme de PVC, enquanto outros preferem utilizar gaze.

• Lembre-se que a tatuagem é algo permanente e que muitas vezes o barato pode sair caro.

• Não chame um tatuador de “seu tatueiro”. Dói no fundo do coraçãozinho deles.

• Fique atento às profissões que não permitem tatuagens em lugares visíveis como nuca, pescoço, braços e pulsos, por exemplo. Mentir sobre ter tatuagens ou piercings está fora de cogitação, então pesquise bem se a sua profissão ou a vaga tão almejada em determinada empresa permite tatuagens. Funcionários públicos e comissários de bordo enfrentam preconceitos na área.

• Tatuagem é uma arte de pigmentar, colorir e modificar o corpo e não um ato de rebeldia. Infelizmente as pessoas tatuadas ainda sofrem preconceitos e são associadas com pessoas de má caráter. Se você é uma dessas pessoas que só tatuam o corpo para causar medo, repressão e mais preconceito, chega né? Você está estragando a vida de muitas pessoas.

• Se você ainda não tem 18 anos e está louco(a) para fazer uma tatuagem, minha dica é: espere. Tudo tem seu tempo e até os seus dezoito anos muitas coisas acontecerão. Situações boas e ruins; sonhos se realizarão e aprendizados virão. Até lá você terá tantas aventuras que será difícil escolher uma tatuagem que represente todo esse tempo. Por isso, relaxe, tudo vem e vai. O que pode ser importante pra você hoje, amanhã se torna simples. Com certeza você estará mais maduro para decidir o que deve permanecer como lembrança e o que deve ser esquecido.

• Isso serve para os marmanjos e as marmanjas, que no impulso e na paixão do momento, tatua nome de namorado, marido, gato e cachorro. Lembre-se que algumas coisas são passageiras e podem deixar marcas doloridas no coração.

Blogueiras lindas e … tatuadas!

1. Mandy Porto (Mandy Porto) | 2. Bruna Vieira (Depois dos Quinze) | 3. Pâm (Garota It) | 4. Babi Dewet (Babi Dewet) | 5. Karina (Rádio Mix FM) | 6. Melina (A series of serendipity) | 7. Gabbie (Gabbie Fadel.com) | 8. Pri (Bookaholic) | 9. Reh (Mulher Vitrola) | 10. Juh (Lost In Chick-Lit) | 11. Giovanna (Radioactive Unicorns) | 12. Ana Paula (Não Provoque) | 13. Tati (Acidez Feminina) | 14. Ana (Tá e Daí?!) | 15. Jessie (KeelCamlmDIY) | 16. Mari (Psychobooks) | 17. Su (Cor Seletiva) | 18. Quel Pipoca Musical) | 19. Maíra Japona) | 20. Carol (Just Carol) | 21. Déia (Fundo Falso)

Onde fazer:

Adham Tattoo Estudio

Rua Maracaju, 1444
Centro
(67) 3325-0178
Site | Facebook

Acho que agora a logo e o pattern do blog fizeram mais sentido, né? *-*
Participe da Galeria Di Moça no Instagram! Se você tem uma tatuagem e quer compartilhar a foto aqui no blog, publique-a na rede social com a hashtag #tattoodimoca!
Beijos di moça!

categoria10 category image

Ouça: The Fault Is In Our Stars

14 . janeiro . 2014

Quem não ouviu falar de A culpa é das estrelas então, por favor, abra o seu navegador agora mesmo e procure sobre um dos livros mais comoventes que eu já li. Considerado o sick-lit mais vendido nas livrarias do Brasil desde Setembro, a editora Intrínseca confirma que, desde o lançamento em 2012, já foram vendidas 420 mil cópias em todo o país. Também foi considerado o melhor livro de ficção de 2012 pela revista Time.

Leia a resenha do livro aqui.


Quando foi divulgada a notícia de que o livro seria adaptado para as telas, galera foi à loucura, inclusive eu. É inevitável dizer que John Green conquistou a estante e a vida de muitas pessoas e, agora, está prestes a surpreender os fãs de cinema também. O roteiro do filme é de Scott Neustadter e Michael H. Weber e direção de Josh Boone. Infelizmente o filme será lançado apenas em junho de 2014, porém, há rumores de que o primeiro trailer será divulgado no dia dos namorados (nos EUA, o dia dos namorados é comemorado no dia 14 de fevereiro, conhecido como Valentine’s Day).





A história sensibilizou tanta gente que você encontra todo o tipo de homenagem aos personagens Augustus Waters e Hazel Grace através de ilustrações, fan art, cases para celulares, canecas, tatuagens, quotes e até música!

Troye Sivan Mellet, ou simplesmente Troye Sivan, é um garoto australiano com quase 19 anos que atua em peças teatrais e interpretou a versão infantil de Wolverine no filme X-Man Origens: Wolverine. Chique, né? Além de ter sido reconhecido pelos seus vídeos no Youtube (em um deles o garoto assumiu sua sexualidade), Troye também foi tocado pela leitura de “A culpa é das estrelas”, inspirando o garoto a escrever uma música sobre o tema! Assim que ele divulgou o vídeo no seu canal, milhares de pessoas visualizaram e apoiaram a ideia dele. No dia seguinte, o Princess Margaret Hospital (Toronto, Canada) entrou em contato com Troye para uma possível gravação de um vídeo e ele afirma que esse dia foi um dos melhores de sua vida. Eu simplesmente me apaixonei por esse projeto e pela música!


The Fault In Our Stars
The weight
Of a simple human emotion
Weighs me down
More than the tank ever did

The pain
It’s determined and demanding
To ache, but I’m okay

And I don’t wanna let this go
I don’t wanna lose control
I just wanna see the stars with you

And I don’t say goodbye
Someone tell me why
I just want to see the stars with you

You lost a part of your existence
In the war against yourself
Oh, the lights
They light up in lights of sadness
Telling you, it’s time to go

And I don’t wanna let this go
I don’t wanna lose control
I just wanna see the stars with you

And I don’t wanna say goodbye
Someone tell me why
I just wanna see the stars with you

Don’t give it up just yet stay grand
For one more minute, don’t give it up just yet
Stay… grand

And I don’t wanna let this go
I don’t wanna lose control
I just wanna see the stars with you

And I don’t wanna say goodbye
Someone tell me why
I just wanna see the stars with you

With you

Okay. De repente você faz parte do grupo pequeno e relevante, claro, de pessoas que não se apaixonaram pelos personagens e/ou pela aventura criada pelo autor John Green mas Troye fez um trabalho muito comovente. E você pode contribuir com o The Princess Margaret Cancer Foundation de três formas:

Divulgando o vídeo The Fault In Our Stars: alguém pode ser tocado com a ideia e fazer doações também;
Fazer a doação diretamente ao Hospital, no site;
Comprar a música pelo iTunes e o valor será doado diretamente ao trabalho da Fundação.
Eu já comprei a minha e não me canso de ouvir! *-*

Quem chorou com o vídeo e a música, levanta a mão! \o.
Deu para perceber a grandeza e o movimento que a história de John Green despertou no mundo todo, né?
Beijos di moça!

@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo