categoria13 category image

Bienal do Livro 2013: conhecendo os blogueiros/leitores!

18 . outubro . 2013

Finalmente o último post da Bienal do Livro 2013. Não que seja o menos importante, muito pelo o contrário, mas eu queria deixar a melhor parte para o final!
O momento mais gostoso da feira é quando você encontra, conhece e reconhece pessoas que você conversa todos os dias através de postagens e comentários. Nossa, que felicidade quando você encontra os blogueiros e leitores que admiram o seu trabalho e compartilham do mesmo amor que o seu: a literatura!

Confiram os melhores momentos da minha Bienal!

Elder!

Natália (Menina da Bahia)

Maiary e Bia (Letras e Folhas)

Pâm Fardin (Aritmética das letras) Aline (Memoirs and Books), Karine (Girl Spoiled) e Juh Sutti (Livros e blablablá…)

Reh (Ler e Almejar), Letícia e Nana Barcellos (Obsession Valley)

Jacque (My book lit)

O grupo mais feliz da Bienal!

As meninas super poderosas!

Camille (Beletristas)

Babi Lorentz (Babi Lorentz)

Todas reunidas e felizes!

Lisse (Confissões Literárias – colunista)

Nicholas (Tudo Por Um Livro – Vislumbra a minha cara?!? -.-‘)

Só curtindo o evento maravilhosa da Intrínseca!

Galera aproveitando a Galera, captou? Dá um close na carinha da Mano, hiihihi!

Cansadinhos nos últimos minutos do segundo tempo!

Thai e Quel!

Thaiane

Raquel!

Chegando perto da despedida, ai que dorzinha no coração!

Gui Liaga (Gui Liaga)

Gui Liaga (opus 21)

Olha os Bling Rings causando na Bienal! *-*

Lindos com os dentes cheios de cupcakes!

Será possível tanto amor em uma foto só?!?! *-*

Serei sempre grata, a todos vocês, pela receptividade e carinho! :*

O resultado físico da pessoa depois de dois dias de Bienal!

Esse é o último post sobre a Bienal e chorei criando, programando e editando todos eles. A saudade que eu sinto desses dias só me deixam mais animada para o nosso próximo reencontro! Só tenho a agradecer pelo carinho e simpatia de cada um! Nos vemos em 2014, se Deus quiser!
Beijos di moça!

categoria13 category image

Bienal do Livro 2013: conhecendo a feira!

04 . outubro . 2013

Yankee dunkie!
O post está super atrasado mas, como “prometido”, vim contar um pouquinho para vocês a minha experiência na Bienal de 2013, no Rio de Janeiro.
Mais um sonho realizado que coloquei na wishlist de aniversário e – gente do céu, como esse negócios de wishlist dá certo, né? – fiquei surpresa com a rapidez que tudo se resolveu. Certo, a Juh e a Myris tiveram alguns probleminhas na reserva dos hotéis, tivemos desencontros nos horários de chegada no Rio de Janeiro mas nada que desanime três lindas-blogueiras-literárias que estavam ávidas em aventurar-se neste mundo encantado!

Por causa do treinamento no trabalho (ihh, esqueci de contar para vocês que estou trabalhando, iey! Depois compartilho com vocês todas as novidades, ok?) tive que me organizar para ir ao Rio de Janeiro no dia 31/08 (sábado). As meninas já estavam no Rio, só me aguardando para guardarmos as malas no quarto e partir para a melhor feira de livros do Brasil!
Cheguei no Rio por volta das oito e meia da manhã e, graças a Deus, o Dani estava de prontidão me esperando. Primeiro fiquei morrendo de medo porque, em sete anos, nunca tínhamos nos visto (nós nos conhecemos através do blog) e ele poderia ser mais um serial killer disfarçado de ovelha. Lembro que perguntei, pelo whatsapp, se ele era um assassino ou se tinha intenções de me matar. Foi uma pergunta justa, vocês não acham? Depois desse medo, veio a ansiedade porque finalmente conheceria um amigo muito querido, um dos melhores que eu tenho! Nossa, como é bom conhecer alguém que você já conhece há tantos anos. Entendem o que eu quero dizer? Temos tantos anos de conversas, desabafos, conselhos e consolos que nos vermos pessoalmente foi apenas um detalhe. Infelizmente tivemos apenas o trajeto do aeroporto Galeão ao hotel para colocarmos as fofocas em dia. E, sabendo da minha correria por causa da feira, o Dani passou em alguns pontos turísticos do Rio para que eu pudesse apreciar um pouco o lado bonito da cidade (vocês viram o post?).
Nota escrita: visitar o Rio de Janeiro com mais calma e mais dinheiro.

Porque nossa foto merece dois posts, com licença!

Chegando no hotel, me despedi – com uma dorzinha no coração – do Dani e me senti prontíssima para encontrar as meninas! Dessa vez não tive medo de elas serem possíveis assassinas porque 1) eu já conhecia a Myris; 2) eu assisti muitos filmes de artes marciais. Fui à recepção e solicitei a Myris no hall (hum, que chique gente!). Aguardei ansiosa o elevador apitar e as portas abrirem. Alguns minutos depois, tchanãm, a Myris aparece toda linda e sorridente – com aquele sotaque arretado que eu amo. Abraços, beijos, saudades daqui e dali, pronto, subimos rapidamente para o quarto porque a Juh estava se arrumando e, claro, eu estava mega atrasada (já era por volta das dez e tantos da manhã).
Quando entrei no quarto, dei de cara com a Juh no celular matando saudades (já?) do maridão e, nossa, aquela sensação de “estou revendo uma grande amiga” inundou o meu coração. É incrível como um blog pode aproximar pessoas do nosso coração. Vendo a Juh parada ali na minha frente foi como se eu a conhecesse (pessoalmente também) há muitos anos. Assim que ela desligou o telefone, foi aquela festa!
Só para constar: a Juh é tão linda e fofo como se apresenta nos vídeos, gente! Acreditem, é um amor de pessoa sem mais nem menos!

Por favor, um close na minha cara de songa -.-‘

Eu sempre me pergunto “por que diachos a Bienal tem que ser tão longe?” Ou eu que estou acostumada com o tamanho da minha cidade e acho tudo perto. Não sei. O problema é que, a cada minuto que passava, eu ficava mais ansiosa para estar na feira, curtindo os estandes, as editoras e conhecendo pessoas. Eu estava tão ansiosa que não lembrava de nenhum lugar pelo qual passamos durante o trajeto (a primeira Bienal que visitei foi a de 2011, também no Rio).
Só de escrever esse post já sinto uma pontada no coração – e não são gases – de saudade de tudo isso.

Como não tínhamos credencias de imprensa ou qualquer outra coisa para entrar, apelamos para nosso plano B: cortesias da empresa Kindle All Lines. Apesar da correria e de alguns imprevistos, tivemos a oportunidade de conhecer o Pedro, um dos blogueiros atuante na empresa. Graças a Deus – e a ele, claro – conseguimos entrar sem precisar enfrentar aquela fila gigantesca! Gente, que fila era aquela?! Fiquei com muito medo porque, se eu tivesse que enfrentar aquilo para entrar, eu teria desistido. Além do calor escaldante, a fila era realmente gigantesca.
Então, muito obrigada senhor Pedro!

O primeiro pavilhão que visitamos foi o azul. Por falta de atenção ou logística, o pavilhão azul concentrava todas as editoras importantes para os blogueiros literários. Não que as outras editoras ou pavilhões não fossem interessante mas a maior parte do tempo ficamos no azul. Era muita gente para um espaço relativamente pequeno. Só para vocês terem ideia, no primeiro dia não conseguimos visitar os outros pavilhões com atenção e calma. Além da multidão passeando nos corredores, as filas para entrar em um estande ou pagar por um produto eram enormes. Se eu não me engano, não comprei nadica de nada no primeiro dia.
Outro ponto negativo que vale a pena ser analisado para a Bienal de São Paulo também é a organização do calendário de escritores internacionais. Tentem imaginar, no mesmo dia e no mesmo pavilhão, autores como Matthew Quick (GO EAGLES! E!A!G!L!E!S!), Emily Giffin e Nicholas Sparks? Estava impossível passear por ali, sério.

Gui (à esquerda) do Burn Book; euzinha; Reh do Ler e Almejar; Juh do Livros e blablablá…; Myris do Na cabeceira da cama (à direita); Ceile do Este Já Li (abaixo) e Pedro da Kindle All Lines!

Ah, já mencionando essas pessoas lindas-cheias-de-talentos, passamos a maior parte do tempo juntos! Ao entrarmos no pavilhão azul, encontramos a Reh, o Gui e a Ceile. Eu morro de amores pela Reh porque, praticamente, começamos a blogar na mesma época e nos ajudamos muito. O Gui também começou nessa época mas não tinha ideia de como esse guri é hilário. A Ceile é uma das mulheres mais doce que tive a oportunidade de conhecer. Ou seja, nosso grupo não poderia ser melhor!

Close na cara do Gui, hahaha!

E, a partir de então, o grupo estava completo para se aventurar e descobrir novos horizontes!

O trabalho das editoras

Como disse anteriormente, passei a maior parte do sábado e do domingo no pavilhão azul. Juntaram todas as editoras-lindas-e-fofas em um lugar só. Se a intenção era facilitar para o visitante, bem, eles não pensaram nas desvantagens. Peço perdão desde agora porque não me recordo a ordem que visitei as editoras. Foram tantas idas e vindas que me perco na memória.

Quase todos os blogueiros foram unânimes ao dizer que o estande da Novo Conceito era o mais bonito. Pensando na fachada, realmente foi bem criativa. Mas, a estrutura não me agradou tanto. Tinha um espaço pequeno para os blogueiros sentarem (no chão, claro), alguns sofás (que sempre estavam ocupados) e os espaços entre uma prateleira e outra eram muito pequenos. Eu fui ao estande várias vezes mas não consegui ver nenhum dos livros expostos. Sempre tinha alguém no meio para empacar tudo. Apesar de todas as opiniões, eu não me senti confortável, entendem? Gosto da editora mas não sinto a mesma afinidade e simpatia que tínhamos na Bienal de 2011. A Novo Conceito abraçou seus vários escritores nacionais como Tammy Luciano, Mariana Carvalho, Graciela Mayrink e alguns agregados como Christiane Melo, Maurício Gomyde, e a convidada especial Emily Giffin.
Um ponto positivo: tinha várias tomadas disponíveis por lá! Meu celular agradeceu no último dia de feira!

Continuando nossa aventura, não poderia deixar a Intrínseca para depois. Para mim, é uma das editoras que me recebe com mais carinho e com certeza isso me deixa feliz e satisfeita por, finalmente, conhecer a linda da Luiza (ela tem um sobrenome muito difícil, vocês não têm noção). Apesar da muvuca dentro do estande (com certeza foi a editora que teve as melhores promoções de livros), a Lu nos recebeu muito bem! Eram livros em promoção a partir de R$ 2,00 até R$ 9,90! Claro que não resisti e comprei muitos (alguns fora da promoção mesmo).

Presta atenção no sobrenome dessa moça: Lewkowicz! *-*

Logo pela manhã, no domingo, participamos do encontro de blogueiros organizado pela Intrínseca e conhecemos uma das administradoras da rede Skoob. O site tem muitos projetos em desenvolvimento, um deles é parceria com blogueiros e aplicativo para IOS/Android! #atequeenfim.
A Heloisa nos contou em primeira mão sobre os próximos lançamentos da editora e deu várias dicas de leituras para nós! Saí de lá quase morrendo de vontade de voltar pra casa e ler os livros indicados (tá, exagerei, não deu vontade de voltar correndo pra casa).

Viviane Lordello, representando o site Skoob!

Encontro de blogueiros da Intrínseca

Helô contando as novidades e o sucesso da Intrínseca em 2013!

No final do encontro, a Intrínseca mais uma vez nos mima com cupcakes e kits (ecobag, marcadores e bottons). Ainda bem que eu tinha tomado café da manhã em casa porque nem deu tempo de eu chegar próximo à mesa.

Desde que a Suma de Letras se tornou parceira do Di Moça, tive muita curiosidade em conhecer a Halime (eu pronunciava Alime, mas é Rálime). Ela é uma das pessoas mais gentil e paciente comigo. Entrei na Objetiva procurando por ela, de repente eu a reconheceria. Depois de alguns minutos desisti e pedi para uma funcionária chamá-la. E ela é uma fofa! Um sorriso super simpático, uma voz doce e os olhinhos parecendo de japonesa! Tem coisa melhor do que não se decepcionar com alguém? *-*

Halime Musser, muito linda e carinha de Pucca!

E como se não bastasse, recebemos um kit super criativo do livro “Peça-me o que quiser” (ui!). Quando cheguei no hotel, me empanturrei de brigadeiro na colher!

Esse ano foi muito especial para mim porque, finalmente, consegui parceria com uma das melhores editoras na minha opinião: Galera Record. E também tive a oportunidade de conhecer as pessoas que ficam por detrás da tela enviando os e-mails mais criativos e alto astral para mim. A Mano(ela) e o Vítor exalam simpatia, atenção e incentivo. Fiquei tão surpresa com uma Mano tímida que achei que estava confundindo a pessoa real com a pessoa dos e-mails.

Manoela, ou para os íntimos, Mano!

Blogueiros praticamente acampando no estande da Galera! #amo

Vítor, fofinho da tia Jeh!

A Galera também investiu de forma muito criativa em modelos representando personagens de livros que se sobressaíram nas lista dos mais vendidos. No sábado tivemos a presença de Travis Maddox (Belo Desastre) e Clary e Jace (Instrumentos Mortais).

OBS: Não li nenhum dos livros, mas depois de vislumbrar as características do Trevor, penso seriamente em comprar o meu exemplar, caham.

Travis Maddox

Clary e Jace

Eu estava tão enlouquecida e animada durante a feira que esqueci de fazer muitas coisas. Uma delas foi tirar fotos no estande da Farol Literário. Fiquei super chateada porque a Paulinha é uma das parceiras que me trata com muito carinho, paciência e responde meus e-mails malucos com muita risada! Pelo menos consegui uma foto com ela, né? *-*

Paulinha, moça muito tchan!

Quero mandar um beijo especial com um pedido de desculpas para Rodrigo Rebelo, Clara, Felipe Brandão, Tati Leite e outras pessoas queridas que não consegui tirar fotos! Mil desculpas, gente! Se Deus quiser teremos muitos encontros e fotos!

Fiquem tranquilos que as aventuras não pararam por aqui! Para não ficar cansativo, dividirei o post em vários outros para que vocês consigam acompanhar todo o alvoroço que senti durante esses dois dias! *-*

Beijos di moça!

categoria13 category image

Obrigada Rio de Janeiro!

27 . setembro . 2013

No dia 31 de agosto concretizei mais um desejo da minha wishlist de aniversário: fui para o Rio de Janeiro! Com o propósito de ir apenas à Bienal do Livro, não tive tempo de conhecer a cidade maravilhosa, mas durante o trajeto do Aeroporto Galeão até o hotel, pude conhecer um pouquinho (o lado bonito) da cidade.

Eu adorei a cidade, sério! Sempre tive uma visão bem feia do Rio de Janeiro porque uma das (únicas) coisas que vejo nos noticiários é exatamente o lado contrário. Tá certo que toda cidade tem os dois lados, o Yin-yang paisagístico mas sempre imaginei um Rio de Janeiro bem acabado, sabem? Mas dessa vez pude conhecer um lado bem bacana e cheio de pessoas bonitas.
Antes de ir para o RJ já tinha combinado com meu amigo Daniel (Dani, beijinhos e obrigada pela carona!) de me buscar no aeroporto e me levar até o hotel onde encontraria as lindas Juh Sutti e Myris. Além de ter economizado uma grana com transporte, pude conhecer um pouquinho sobre os pontos turísticos da cidade e curiosidades que eu nem imaginava que aconteciam por ali.

A primeira conclusão que passou pela minha cabeça durante o “passeio” foi que eu moro na cidade errada. Por diversos motivos e razões, moro em Campo Grande (MS) desde que nasci e sinto que meu lugar não é aqui. Agora eu sei o porquê…

Não é pelo tamanho da cidade ou pela quantidade de shoppings espalhados por lá (gente do céu, haja shopping nessa cidade, Ave Lola!) ou a quantidade de estrangeiros por metro quadrado. Eu me senti viva, desperta e feliz, simples assim. Talvez pela ousadia e pela mudança repentina de “ares” e de tudo ser passageiro, afinal de contas, dois dias de passeio para uma vida toda de concorrência, trânsito, gastos, etc são bem diferentes né?
O que eu mais gostei foi a facilidade de encontrar tudo e mais um pouco em qualquer lugar da cidade. Talvez por ter aproximadamente 1.260 km² e caber muita coisa lá dentro… Será que eu participaria de um evento tão grande e majestoso como a Bienal do Livro em Campo Grande? Vou sonhando…
Cidades grandes como São Paulo, Rio de Janeiro e até Curitiba me encantam hoje em dia por causa dessa facilidade de receber eventos, e do foco que as pessoas colocam em cima delas mesmas.

E durante o trajeto pensei mais ou menos nas vantagens e desvantagens de morar em uma cidade tão grande como o Rio. Posso estar enganada em diversos tópicos mas usei como parâmetro a minha cidade e a mídia.

Vantagens do Rio de Janeiro:

Você tem mais chances de ir à eventos literários e outros grandes eventos como Rock In Rio, Arnold Classic Brasil entre outros;

A Bienal do Livro acontece a cada dois anos na cidade (Nos veremos em 2015!);

Você não precisa ficar torcendo para abrir uma Starbucks, Tok&Stok, Outback e Saraiva Megastore na cidade porque simplesmente vão abrir;

A praia fica ali mesmo, você não precisa sonhar e esperar as férias chegarem;

O interior do Rio de Janeiro também é belíssimo. Se você estiver cansado da muvuca, tem opções como Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Angra dos Reis e Barra Mansa;

As pessoas são gentis – tanto na rua quanto no trânsito;

É muito provável que você encontre, num piscar de olhos, um grupo de pessoas com as mesmas afinidades que você;

A chance de você esbarrar em um “gringo” é maior do que na sua cidade;

Você não precisa se preocupar com possíveis fofoquinhas rolando soltas na cidade. Acredite, a chance de sua vida ser importante é bem pequena.

Tá bom, sei que muita gente vai discordar dos meus tópicos mas lembrem-se que minha visão do Rio de Janeiro é como turista de dois dias, e não cidadã. Claro que tem muitos problemas como a infra-estrutura, trânsito, transporte público, condições financeiras e sociais, etc. Toda cidade tem seu lado “negro” mas minha intenção foi ressaltar o lado bom do Rio!
Espero voltar à cidade maravilhosa com tempo para conhecer os pontos turísticos e toda a sua beleza!

Momento do bafão: O Rio de Janeiro oferece muitas oportunidades e experiências diferentes, exóticas para os moradores e turistas. É tanta facilidade em encontrar as coisas que acaba se tornando perigoso. Fiquei boquiaberta ao ver bordéis visíveis, com seus letreiros e portas escancaradas com muita facilidade. E fiquei assustada ao saber que os gringos pagam por “tours” (visitas) nas favelas da cidade.

Depois de sete anos, finalmente nos conhecemos!

Um beijo com muito carinho para o Dani, que me levou até o hotel com paciência e boa vontade! *-*
E vocês, o que acham do Rio de Janeiro?
Beijos di moça!

categoria5 category image

O que você sabe sobre a Bienal do Livro?

28 . agosto . 2013

Todos nós sabemos que, ao se tratar de Bienal do livro, vem à mente muitos estandes com livros (e de preferência em promoção), escritores famosos e muita gente correndo pra lá e pra cá.
Mas será que sabemos o que é, realmente, a Bienal do livro? Quais são os propósitos da feira e por quê é tão famosa no país inteiro?
Saiba mais sobre a história da Bienal aqui no Di Moça!

Sobre a Bienal

A Bienal do Livro é o principal evento do mercado editorial e mais importante evento cultural do país. A Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro é uma iniciativa do SNEL – Sindicato Nacional dos Editores de Livros – em parceria com a Fagga Eventos e ocupa três pavilhões do Riocentro, em uma metragem de 55 mil m². O evento espera receber em torno de 600 mi visitantes; 170 mil estudantes.

A Bienal do Livro do Rio de Janeiro conta com 950 expositores e uma programação cultural plural, abrangente e sempre atual, que inclui bate-papos, sessão de autógrafos e apresentações de autores nacionais e internacionais.

Neste ano comemoraremos 30 anos de Bienal do livro, acreditem se quiserem! Eu nem tinha ideia de que a Bienal existia há tanto tempo, e vocês? No dia 29 de agosto o evento chega a 16ª edição. O SNEL e a Fagga I GL events exhibitions realizam a Bienal desde a 1ª edição, em 1983, que aconteceu no Copacabana Palace. Ai que sonho né? *-*
São três décadas aproximando e estimulando o contato do público com o livro, promovendo a leitura e a educação.

A Alemanha é o país homenageado da edição de 2013 – realizadas em parceria como o Goethe-Institut. Nem preciso dizer que estou felicíssima com a escolha porque é meu sonho ir para a Alemanha, yeah! Em sintonia com a Feira de Frankfurt, que este ano homenageia o Brasil, a presença alemã na Bienal tem como objetivo intensificar o intercâmbio entre as duas nações, enriquecendo o encontro por meio de uma ampla oferta de atividades artísticas e literárias.
Além da presença dos escritores alemães na programação cultural, o que promoverá uma gama de diálogos com suas contrapartes brasileiras – tendo como pauta assuntos como ilustração de livros infantis, poesia, linguagens intermídia, literatura e viagem, graphic novels e multiculturalismo –, a Alemanha terá um estande de 400 metros quadrados do qual fará parte a exposição multimídia Alemanha de A a Z. As 26 letras esculpidas do alfabeto alemão, quatro delas em 3D, vão ofercer aos visitantes uma perspectiva bem-humorada do país – de “Alltag” (cotidiano) a “Zukunft” (futuro).
Será que eu consigo entender uma frase em alemão, pelo menos? Vou tentar fazer o meu curso de alemão valer a pena, rá-rá!

Esse ano temos dois espaços novos na Bienal: No clima da Copa das Confederações e abrindo caminho para a Copa do Mundo, o Placar Literário, com curadoria do jornalista João Máximo, será dedicado à literatura de futebol. Já os leitores adolescentes terão um novo território: além de, mais uma vez, poderem encontrar seus ídolos no Conexão Jovem, eles conhecerão o Acampamento na Bienal, que, comandado por João Alegria, terá como foco a tecnologia e a cultura de convergência ? o livro que vira filme, que vira game, que vira site, que vira livro –, mostrando que a narrativa faz parte do dia a dia.

Mais de 100 escritores, dos mais variados gêneros e nacionalidades, estarão entre os convidados. Três nomes internacionais já foram confirmados para o Encontro com Autores: Emily Giffin, um dos maiores expoentes da chamada chic lit, que lançou este ano Presentes da Vida (Novo Conceito); Allan Percy, do sucesso de Nietzsche para estressados (Sextante); e James C. Hunter, do fenômeno O monge e o executivo (Sextante). Também teremos Nicholas Sparks e Matthew Quick arrasando na feira!

Você pode conhecer mais sobre a Bienal no site ou na fanpage no facebook!

A todos que vão à feira este ano, um ótimo passeio, muitas experiências positivas e sonhos realizados!
Beijos di moça!

12

@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo