categoria2 category image

Pandemônio #2 :: Lauren Oliver

11 . dezembro . 2013

Quando li Delírio, primeiro livro da trilogia de Lauren Oliver, fiquei in love. Eu estava super down, coração partido e, para aquele momento, não havia livro melhor. É claro que eu amei, né? Aliás, obrigada Intrínseca!
Esse ano tive a oportunidade de ler o segundo livro mas, antes de eu lê-lo, vi muitos comentários desanimadores sobre Pandemônio. Poxa, que chato quando a gente tem a expectativa super elevada e ela cai repentinamente. Mas insisti porque eu não conseguia imaginar a autora Lauren Oliver me decepcionando. Ainda bem que eu insisti!

Pandemônio #2 (Pandemonium #2)
Autora: Lauren Oliver
Páginas: 304
Editora: Intrínseca

* Livro enviado pela editora como cortesia.

Sinopse:

Dividida entre o passado — Alex, a luta pela sobrevivência na Selva — e o presente, no qual crescem as sementes de uma violenta revolução, Lena Haloway terá que lutar contra um sistema cada vez mais repressor sem, porém, se transformar em um zumbi: modo como os Inválidos se referem aos curados. Não importa o quanto o governo tema as emoções, as faíscas da revolta pouco a pouco incendeiam a sociedade, vindas de todos os lugares… inclusive de dentro.

Créditos: Skoob


Esta resenha contém spoilers. Leia a resenha de Delírio Delírio aqui!

Certo, no primeiro livro a gente tem aquele auê dos protagonistas fugindo para a Selva, a correria e desespero de Lena Haloway para fugir de Portland e descobrir um novo mundo. Porém, tudo dá errado, é claro! Em que mundo distópico as coisas acontecem tão feliz e lindamente bem?
Lena está perdida na Selva, sem saber para onde ir e o que fazer. Antes de conhecer Alex, ela viveu quase dezoito anos acreditando piamente no sistema, acreditando cem por cento que o amor era uma doença, em boatos e mentiras. Achava que os Inválidos (pessoas não curadas do deliria) fossem animais. Porém, desnorteada na Selva, essas pessoas a salvaram, deram o lugar mais macio para dormir e cuidaram dela até se recuperar, sem pedir nada em troca.
Durante esse tempo Lena conhece vários Inválidos que nos apresentam outro ponto de vista sobre o sistema, os não curados e a sobrevivência longe da sociedade. Graúna ensina Lena que tudo na Selva é usado, reutilizado, racionado e calculado. Prego, Sarah, Azul são a nova rotina de Lena. Uma rotina de sobrevivência. Lena está bem longe de Portland, de sua amiga Hana e os sentimentos que Alex tinha despertado nela.

“- Não existe o antes. Só existem o agora e o que vem depois.”

Após meses de aprendizados, lutas, medos, renúncias e sacrifícios, Lena e Graúna estão prontas para voltar para Nova York e cumprir a missão que sustentam por anos a fio: infiltrar-se na ASD: América sem Delírio. O objetivo da organização é limpar, definitivamente, a deliria de toda a sociedade, inclusive os Inválidos. Thomas Finesman, fundador da ASD está disposto a compartilhar a vida de Julian Finesman, seu filho, como símbolo da intervenção do sistema. Apesar de ter dezoito anos ele ainda não passou pela intervenção. Mas na sexta-feira, o dia da grande manifestação na Times Square, isso vai mudar. Ele vai passar pela intervenção e será curado. E é na sexta-feira que todo o plano deve se cumprir. É claro que Graúna, Lena e Prego precisam de todos os detalhes minuciosamente arquitetados. Agora eles possuem identidades falsas e cicatrizes da cura. A partir de agora Lena é Magdalena Morgan Jones, estudante do Colégio Quincy Edwards e com a única missão: aproximar-se de Julian.

“Pegue algo de nós, e nós pegaremos de volta. Roube de nós, e roubaremos tudo de você. Se nos pressionar, vamos bater.
É assim que o mundo funciona agora.”

Na sexta-feira, dia da aclamada manifestação, tudo está perfeitamente sincronizado e o plano dos Inválidos está prestes a ser realizado quando, inesperadamente, os Saqueadores invadem a Times Square. Figuras de preto aparecem do nada, em toda parte. Saem do esgoto, materializam-se do chão, tomam forma em meio ao vapor fedorento. Descem pelas laterais de prédios como aranhas, presas em longas cordas pretas. Correm entre a multidão com facas afiadas e reluzentes, pegando bolsas e arrancando colares de pescoços, cortando anéis dos dedos delas. E sequestram Julian Finesman. Só pra deixar claro, os Saqueadores são Inválidos mas não lutam por nada. Eles querem destruir tudo: queimar tudo até que vire pó, roubar e matar e fazer o mundo arder em chamas. É óbvio que o sequestro de Julian tem a ver por ele se tornar símbolo da ASD, o sacrifício em nome da segurança pública, mas será que além disso ele representa mais alguma espécie de perigo? Nesse meio tempo de dúvida e curiosidade, Lena também é sequestrada.

O mundo está de cabeça para baixo e tudo está uma droga e minha vida foi rachada ao meio e há duas Lenas correndo em paralelo, a antiga e a nova, e elas nunca, jamais voltarão a ser a mesma.

Galera do bem, esse livro superou todas as minhas expectativas, sério! Primeiro porque eu imaginei uma sequência de Delírio: achei que encontraria Alex, os dois felizes e juntinhos lutando contra o mal e etc. Mas não. Pandemônio saiu do trilho e partiu para uma outra linha de raciocínio. Enquanto Delírio foi uma introdução sobre o sistema contra o deliria, Pandemônio nos introduz ao mundo da Selva, os Inválidos e o ponto de vista deles sobre o sistema. No começo achei muito estranho porque a maioria dos personagens aparecem pela primeira vez neste livro. Até então não existiam Julian, Thomas, Graúna e Prego. Aqui eles comandam a história e nos apresentam o sofrimento da vida de quem insistiu em amar.

“Tive que abrir mão de tanta coisa, de tantos eu e de tantas vidas.
Não era essa a pessoa que eu queria ser.”

Uma característica importante é que a história não corre em ordem cronológica. Temos dois tempos: o agora e o antes. O agora é apresentado por Magdalena e o objetivo de infiltrar-se na ASD. O antes discorre sobre a sobrevivência de Lena na Selva e todo o contexto daquele grupo.
Lauren continua recorrendo ao vocabulário mais poético, mais sutil e subjetivo. Eu gosto disso. Porém, confesso que do começo à metade do livro me senti um pouco desanimada porque a personagem principal precisa aprender a se adequar à nova vida de “forasteira”. Sabemos que Lena não é a pessoa mais corajosa e radical do mundo, mas ainda bem que ela encara as situações de forma humana e real (sem viajar na maionese literária).
Pera aí, devo dizer que neste segundo livro também temos uma pequena demonstração de afeto e simpatia. Dessa vez não saiu um triangulo amoroso (e confesso que estou torcendo pra não sair um no próximo livro) mas a relação homem e mulher se desenvolve entre Lena e Julian durante o tempo que eles estão presos, juntos.

“Tive que abrir mão de tanta coisa, de tantos eu e de tantas vidas.
Não era essa a pessoa que eu queria ser.”

Em Pandemônio, Lauren Oliver nos leva a pensar em quem realmente está do lado certo, e se existe o lado certo. Talvez o verdadeiro inimigo esteja do seu lado, comendo da sua comida e compartilhando dos seus sonhos. Ódio, medo, opressão, amor, verdades e mentiras. Você está diante de uma série deslumbrante!
Apesar de ser uma vertente diferente da que eu imaginava, Lauren Oliver me conduziu para o outro lado e vibrei muito quando cheguei ao final do livro. Preciso da continuação, libera aí Intrínseca!

“O outro lado da liberdade é este: quando você está completamente livre, também está completamente sozinho.”

Quem já leu sabe: deixe sua opinião sobre o livro aqui! O que você gostou e o que você não gostou? O que torna este livro o seu preferido ou o que faltou para ele atingir suas expectativas? Adoro ler as opiniões aqui no blog!
Beijos di moça!

Lauren Oliver

Lauren Oliver vem de uma família de escritores e por isso sempre acreditava (erroneamente) que passar horas na frente do computador todos os dias, meditando sobre a diferença entre “rindo” e “rir”, é normal. Ela sempre foi um leitor ávido.
Ela freqüentou a Universidade de Chicago, onde ela continuou a ser o mais prático possível, formando em filosofia e literatura. Após a faculdade, ela participou do programa do MFA na NYU e trabalhou como assistente do mundo, pior, editorial e editor assistente de apenas marginalmente melhor, em uma grande editora em Nova York. Suas contribuições principais carreira durante este tempo foram desrespeitando o código de vestuário corporativo, a cada passo possível e repetidamente quebrar a impressora. “Antes que eu vá” é seu primeiro romance publicado.


Site da autora | Blog da Intrínseca


• Hey! Deixe um comentário aqui •

• Temos 26 comentários nesta postagem" •

Leticia, disse: - 11-12-2013 (09:38)

Olá!
Já tem post sobre essa câmera lindinha da Fujifilm? Tô apaixonada…


Juliana, disse: - 11-12-2013 (11:01)

Eu não tenho problema com spoiler não. Eu adoro ler um resumo antes pra saber se realmente quero ler aquele livro, ou atigo, etc. Li o post inteiro e adorei o livro, parece ser bem interessante mesmo. Mas esses assuntos sobre governo, etc, estão ficando meio clichê ou é impressão minha? Já li várias sinopses em vários blogs de livros diferentes, e eles comentam sobre um “governo”, ou política que proíbe algumas coisas com relação a sentimentos. Mas se tá ficando tão na moda, com certeza é porque deu certo. Vou escolher uma série dessas tantas, pra parar e ler, finalmente! 😀 Ano que vem, talvez 😀

Que fotos LINDAS são essas? Precisei parar alguns minutos em cada uma pra satisfazer meus olhos. Que perfeição 😀

Beijos!!!


Nessa, disse: - 11-12-2013 (11:35)

Oi Jeh!

Faz muito tempo que eu tenho vontade de ler esses livros, mas ainda não tive oportunidade.
Menina, eu ameii suas fotos e os mimos.
Ai, eu qeuria ter uma foto assim como esta pequenina que vc colocou ai com este bebe. Que lindo que fica, adoreiii.

Beijos*


Bruna, disse: - 11-12-2013 (12:07)

Ahhhhh, como não amar distopias? Eu estou simplesmente louca para ler essa. Como eu não tenho problemas com spoiler, li sua resenha kkkk’
Bom, eu acho que a história tem uma premissa incrível, mas esse negócio de selva me lembrou um pouco da série Feios, mas só isso mesmo.
Adorei a resenha Jeh
Beijinhos
Segredo de um Mundo


Daniela, disse: - 11-12-2013 (12:14)

Quando eu li sua resenha de “Delírio”, fiquei super empolgada e saí recomendando para todos que estavam no meu caminho. Para a minha surpresa, todos acharam a leitura de regular a mediana e confesso que acabei deixando o “fogo” abaixar e passei outros livros a frente, mas com o lançamento de “Pandemônio”, confesso que voltei pra gangorra e não sei se dou logo essa oportunidade a Lauren Oliver ou não.

No mais, a resenha ficou ótima (pra variar) e as fotos perfeitas!


Samella Cunha, disse: - 11-12-2013 (12:31)

Que resenha ótima Geh!
Sou apaixonada por essa série, e Pandemônio não me decepcionou em nenhum momento. Lauren continua com seu estilo maravilhoso que tanto me cativou em suas obras anteriores.
Já implorei pra Intrinsica acelerar com a tradução de Requiem, mas parece que eles ainda não têm nem previsão de lançamento. #VidaDeLeitor #VidaSofrida

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Aaai que bom que você também gostou Sam!! Eu só vi resenhas que deixaram o livro lá pra baixo e quase desisti de lê-lo! Ainda bem que fui adiante e “botei fé” na Lauren, porque ameeei!
Algumas pessoas já leram em inglês e já pedi a opinião pra saber se, pelo menos, é maravilhoso! *-*
Beijos!




camila lacerda, disse: - 11-12-2013 (12:40)

Oii Jeh :)
nunca li esses, e sou bem curiosa para ler!!
gostei das quotes que escolheu
saudadees

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Ah Mila, eu acho que você vai gostar de Delírio! \o Se tiver a oportunidade de ler, não deixe passar viu!
:*




Débora Martins, disse: - 11-12-2013 (15:28)

Jehhhhhhh,to de volta aqui na blogosfera! É a Débora lembra de mim? haha O tempo passa mas seu blog e suas fotos continuam lindosssss! Beijoooo! Você é uma fofaaa!
http://leitora-vorazz.blogspot.com.br/

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Debie, claro que me lembro de você, gente!!!! \o/
Obrigada pelo carinho sua linda!
Estou seguindo seu blog, claro!
:*




Pamela Dal' Alva, disse: - 11-12-2013 (16:55)

olha esse livro ainda nao li, será mais um para minha lista de compras quando tiver dinheiro kkk

Peço-lhe que curte novamente minha page, pois um hacker a excluiu. Grata
https://www.facebook.com/eraoutravezblog
o/
kisu
http://www.eraoutravez.com

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Aaah poxa, você vai gostar Pam!
Como assim um hacker excluiu sua página, por quê?!?!?!?! Credo, quanta gente ruim nesse mundo!
:*




Nina Tavares, disse: - 11-12-2013 (18:59)

Oi Jeh!
eu comprei Pandemônio logo que saiu porque fiquei totalmente louca com Delírio, foi uma das minhas melhores leituras de 2012. Mas li tantas resenhas negativas de Pandemônio que desaminei :-(
Mas agora vc conseguiu me deixar curiosa com sua resenha e vou ler o mais rápido que puder. Aí volto para dar minhas opiniões, rsrs

B-jussssssss!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Sério Nina? Poxa, eu queria ter lido logo que foi lançado mas sou meio enrolada, hehehe!
Adorei, mesmo tendo várias resenhas negativas (como você disse). No começo fiquei desanimada mas com Delírio tinha sido a mesma coisa, vi muitas resenhas “má ô mêno” e eu amei o livro!
:*




Yassui, disse: - 11-12-2013 (20:18)

Jéh, adorei este livro e estou super ansiosa para a continuação, mas aquele final foi desnecessário para mim.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Eu achei bacana o final Ya, acredita?? Só achei idiota a aparição da “mãe” dela, desnecessário mas tudo bem! Não vejo a hora de ler o último!
\o
Beijos!




Carissa, disse: - 11-12-2013 (22:47)

Eu li a série toda e adoro. Lembro de muita gente desanimada com Pandemônio, mas eu amei. Nem cansar, cansei.
Amo a escrita da Oliver!
Só não curti quando soube que os nomes dos personagens foram traduzidos. Li em inglês e levei um susto ao ver os nomes traduzidos.

Beijos, Jeh!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Sério mesmo Ca?? Ai me diz se Requiem é bom, por favorzinho!!! \o
Eu não li em inglês mas você poderia me dizer (nos dizer) os nomes dos personagens originais né? =D
Por favorzinho!
Beijos!




Tay, disse: - 12-12-2013 (01:03)

Eu aaaamo Pandemônio, amo essa série, e engrosso o coro do “libera Réquiem, Intrínseca! <3"
Beijos.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Eu também amei Tay! Bem diferente do que eu esperava e isso foi bem positivo!! A autora me surpreendeu!

Você já leu Requiem??
:*




Rafaela., disse: - 14-12-2013 (20:47)

Oi, Jeh!

Sou louca para ler Delírio e Pandemônio. Essa ideia de amor como doença é genial, eu fiquei curiosa para saber como a autora desenvolveu isto na história. Não sei porque ainda não os comprei. o.O
Aliás, eu amo as capas metalizadas, são tão lindas.
Amei sua resenha, me deixou ainda mais empolgada em lê-los!

Beijocas.
http://artesaliteraria.blogspot.com.br
PS: seu cabelo ficou um arraso! Todo mundo de cabelo curtinho, rs. Eu também cortei meu cabelo de Rapunzel no mês passado.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Rafa!
Então, eu gostei muito mais de Delírio que Pandemônio porque o assunto de amor como doença é mais forte no primeiro livro. Mas o segundo também é muito bom porque não ficou cansativo! A autora trouxe personagens super diferentes e às vezes parece que nem é continuação de Delírio! Eu achei bacana !

Ah mostra uma foto do seu cabelo curtinho!! *-*
Beijos!




Carissa, disse: - 28-12-2013 (19:44)

Eu amei Requiem, mas nem todo mundo adorou. Só que eu achei muito fiel ao estilo da Lauren.

Alguns personagens que lembro os nomes. Raven (Graúna), Blue (Azul), Tack e Hunter (não sei como traduziram).

Beijos!


Susan, disse: - 20-02-2014 (00:24)

Jeeeh, acabei de ler delirio, e to me sentindo triste pelo Alex, em pandemonio fala se ele esta vivo, ou da alguma pista disso?!?!, to loouca querendo saber isso!!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Aaah sério flor? Espere por Pandemônio então! Ele é diferente de Delírio porque agora temos um outro cenário e outros personagens mas você pode se surpreender durante a leitura! 😉

Beijos!




@blogdimoca no Instagram!

:: Di Moça :: Colecionando sonhos! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Design por Jeh Asato