categoria2 category image

Queria que estivesse aqui :: Pete Nelson

19 . junho . 2012

Resenha atrasada mas antes tarde do que nunca, certo? Pois é! Uma leitura super agradável, com um conjunto de abordagens sobre relacionamentos (paternais, fraternais, amorosos, etc). Pete Nelson nos conduz ao mundo do personagem Paul com intimidade, relevância e reflexões.

Queria que estivesse aqui (I Thought You Were Dead)
Autor: Pete Nelson
Ano: 2012
Páginas: 256
Editora: Lua de Papel

* Livro enviado pela editora como cortesia.
Sinopse:

Para Paul, a vida se tornou uma sucessão de obstáculos. Abandonado pela esposa, o pai acaba de sofrer um derrame, sua nova namorada está indecisa entre ele e outro homem e ele se vê obrigado a lidar com questões familiares antigas, coisas que adiou até agora, mas terá de finalmente enfrentar. Por outro lado, ele ainda conta com 3 sustentações em sua vida – as doses no Bay State Bar, seu novo par de tênis (que o lembra de fazer exercícios), e finalmente Stella, sua grande amiga e companheira, que lhe dá sábios conselhos, que não o julga, e lhe dá amor incondicional. Porém, Stella não o acompanha em seu bar favorito. Stella é sua cachorra idosa, uma mistura de Labrador com Shepherd, e ela conhece Paul mais do que ele próprio.

Crédito: Skoob

Preciso compartilhar como acho complicado expressar minha opinião sobre um livro que envolve tanta reflexão sobre relacionamentos! Aliás, relacionamento é uma palavra que exige prática e talvez esse seja um dos motivos que torne relacionamento tão complicado. Mas vamos lá, tentando e aprendendo! ;)

Paul Gustavson é um escritor divorciado, mora em uma pequena cidade universtária às margens do rio Connecticut com sua cadela de raça híbrida – meio pastor alemão, meio labrador amarelo – Stella. Filho caçula, Paul está diante de uma situação que irá mudar sua vida e o relacionamento dele com a mesma: seu pai, sr. Harrold, acaba de sofrer um derrame. Assim, voltar para Twin Cities será um trabalho muito mais ousado do que apenas pegar uma estrada, olhar para seu pai no leito do hospital e torcer para que tudo fique bem. Muito pelo contrário, Paul terá que enfrentar (novamente) o passado e o futuro com sua família.
É difícil imaginar a vida de uma pessoa que sofre um derrame, bem como a vida de todos os familiares e pessoas mais próximas ao paciente. Mas Paul é um filho ausente, afastado e sempre preferiu assim. Seu irmão, Carl, se encaixa melhor na posição de “estou-aqui-para-todas-as-horas”. Elizabeth – ou Bets – é a irmã que está no meio termo, na marcha neutra e assume a posição de “pode-contar-comigo”.
Mas o verdadeiro e confiável ombro amigo de Paul é Stella, a cadela animal de estimação, tão ingênua em relação aos dramas humanos e muito esperta no quesito relacionamentos. O mais legal é que Paul e Stella possuem essa comunicação viável entre si, ou seja, um conversa com o outro. Partindo do pressuposto de que o cão é o melhor amigo do homem, nos entregamos à essa realidade ficcional criada por Pete Nelson.
E o que fazer em relação à Tamsen, sua namorada “estamos-em-aberto”? Tamsen é uma mulher divorciada que vive um relacionamento aberto com Paul há três meses – sem segredos ou omissões. “Não exatamente um verdadeiro romance. Mais uma estranha e mutuamente satisfatória troca de gentilezas”. E sem omissões significa, Stephen na jogada. Tamsen mantém um relacionamento anterior – embora sem perspectivas – com Stephen, o que torna a vida amorosa de Paul bem mais complicada. Além, claro, dela morar em outra cidade (Rhode Island). Convenhamos que toda essa complicação é por pura falta de vergonha na cara, mas tudo bem.

Gente, quantos relacionamentos a serem remexidos, transformados, renovados, não é? Paul é um personagem totalmente depressivo, isso a gente nota nas primeiras páginas. Um cara sem confiança – por causa do seu irmão maioral e seu casamento fracassado, sem estima e vive se culpando – até mesmo por causa do derrame de seu pai.

Por causa de seu irmão, um advogado bem sucedido, um atleta vigoroso e ótimo conhecedor de finanças, Paul se sente a asinha da barata. Você já se sentiu assim, por causa de alguém mais “sucedido” que você? Esse sentimento de pequenez envolve Paul em todos os relacionamentos descritos no livro – exceto com Stella. E não basta isso, Paul está sempre tentando ser melhor (de alguma forma) em relação ao seu oponente Stephen. Que situação mesquinha e fútil, não é? Mas é a vida de Paul.

Enquanto esses relacionamentos não “engatam”, Paul passa os dias no bar do Bay State Hotel, tomando suas doses e compartilhando histórias com seus amigos de bar. Ou seja, Paul é um bêbado que não (re)conhece sua situação de alcóolatra.
Aff, quanta complicação, não é?

E a partir de diálogos entre Paul e Stella, vamos refletir não apenas sobre os relacionamentos de Paul com sua família, sua namorada e a vida mas refletir sobre a nossa própria e tudo o que nos envolve: evolução da vida, mortalidade, confiança e satisfação. Contando a estória em terceira pessoa (narrador onisciente), Pete Nelson cria uma teia de situações que, ao invés de serem simples, se tornam um emaranhado de problemas que Paul precisa desatar. É preciso um passo de cada vez e por mais que isso pareça fácil, para Paul vai exigir muitos sacrifícios. E claro, todos os sacrifícios, no final, oferecem as respostas.

O autor separou os acontecimentos em três partes, de acordo com as estações. Inverno/Primavera, Primavera/Verão e Outono/Inverno. Essa divisão foi bem colocada e a gente sente as mudanças na vida de Paul com o surgir/desaparecer de cada estação.

Um livro super envolvente, que me fez pensar nas situações em que a vida nos coloca ou que nós mesmos nos colocamos – às vezes por vontade própria – e que parecem sem saída, sem direções. Quando tudo parece um deserto ou até o fundo do poço e vai piorando com o passar do tempo, até acharmos que não tem mais jeito. Devemos erguer a bandeira branca? Desistir e nos dar por vencidos? De uma forma surpreendente e por causa de duas palavras – força de vontade – as mudanças despertam, seja em câmera lenta ou em um trem bala. O importante é que não há fim do túnel enquanto estiver vivo, sempre temos algo para aprender, para mudar, para criar, renovar… É a dinâmica da vida!
O livro apareceu na hora certa! ;) Recomendado!

Já que eu fui banida do 4shared pela enésima vez, compartilho com vocês um vídeo com a música que “caiu como uma luva”! Se eu estivesse Fazendo Meu Filme, essa seria a música do trailer! ;)

Um super beijo e até o próximo post!

Pete Nelson

Pete Nelson vive com sua esposa e filho em Westchester, Nova York. Ele conseguiu seu mestrado pela Universidade de Iowa Writers em 1979 e tem escrito tanto de ficção e não-ficção para revistas, incluindo Harpers, Playboy, Esquire, etc.
Publicou 12 romances para jovens, incluindo uma série de seis livros sobre uma garota chamada Sylvia Smith-Smith, que lhe valeu uma indicação ao prêmio Edgar dos Escritores de Mistério da América.

Site do autor | Site da Lua de Papel


• Hey! Deixe um comentário aqui •

• Temos 40 comentários nesta postagem" •

Sara Martins, disse: - 19-06-2012 (19:25)

Que lindo. Está na minha lista. :)
Xxx

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Sara Martins,

*-*
Que bom que gostou Sara! Espero que tenha a oportunidade de lê-lo e compartilhar conosco a sua opinião! \o

Beijinhos!




Kácia Ribeiro, disse: - 19-06-2012 (19:26)

Complicado até demais… eu mal consigo imaginar como solucionar os meus relacionamentos, ficar imaginando um assim, confunde meu Tico-Teco haha…

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Kácia Ribeiro,

Né? Eu tentei me colocar várias vezes no lugar de Paul – já que ele tem algumas características de personalidade parecidas com as minhas – e como realmente cada um tem a força exata para carregar o que consegue… Eu tenho mania de filosofar demais, não se assuste, hehehe!
Talvez, para alguns, o livro nem tenha tanto impacto, depende mesmo de cada leitor – como sempre.
Beijos!




Quequel, disse: - 19-06-2012 (20:12)

Emocionante a resenha… quero ler em breve !!
Relacionamento é complicado independente de qual for… mas sempre há a luz no fim do túnel.

Bjinsssss

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Quequel,

Que bom que gostou Quel! Antes de lê-lo, fiquei com medo de ser muito profundo, dolorido e depressivo mas ao contrário, somos convidados a participar da vida de Paul sem pressão e a gente traz para nossa vida muitas lições que Paul também teve. Muito legal!

Beijos!




Camila Leite, disse: - 20-06-2012 (08:17)

Oi Jeh tudo bem?
Nossa adorei a sua resenha, me deu vontade de ler o livro, histórias assim sempre me deixam fraca e comovida, mas me fazem crescer enquanto pessoa e rever meus conceitos…
Fiquei curiosa para saber o fim de Paul.
Camila Leite

@sonhospontinhos
http://sonhosentrepontinhos.com

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Camila Leite,

Oi Camila!
Aê, que bom que você gostou da resenha!! Huhuhu!
Eu gostei muito do livro! Sabe aquelas estórias que nos faz marcar trechos e frases marcantes? Pois é, esse é um deles!
A gente tira muita lição de vida, mesmo nas entrelinhas! =)

Beijos!




Sandro Honorato, disse: - 20-06-2012 (10:28)

Jeh :)
Como vai?
Eu não conhecia este livro :O
Mas gostei da sua resenha e parece ter uma temática bem legal (sentimentos e talz)
Gostei,meus parabéns :)

Beijos e tenha uma excelente semana
Cuide-se

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Sandro Honorato,

Oi Sandro! Estou bem, graças à Deus e você? =)

Aaah que bom que gostou da resenha! ;) Gosto muito de conhecer livros diferentes – sejam eles lançamentos ou não -, que não estão em todos os blogs, sabe? Às vezes alguns livros passam despercebidos mas têm uma estória tão boa! ;)

Espero que tenha a oportunidade de lê-o!

Beijos e ótima semana! ;*




Daniela, disse: - 20-06-2012 (19:59)

Meu Deus!
Lendo de primeira a sua resenha eu só conseguia pensar: “Paul precisa é aceitar Jesus”, porque misericórdia! Que vida turbulenta a deste homem!

Mas depois de ler ela toda, só consigo dizer uma coisa: Uau!
Adorei o seu conselho, a sua dica e as perspectivas que o livro lhe mostrou. As vezes precisamos de algo assim, como uma simples leitura para dar uma “sacudida” na gente e fazer com que enxerguemos as coisas com outros olhos.

Eu sou uma eterna apaixonada por capas e por cachorros e esse livro tá marcado como “desejado” por causa dessa foto LINDA deste ser de 4 patas que me remeteu aos meus 2 ex-labradores :/

Parabéns pela escrita Jeh.
Ficou maravilhoso!

Beijinhos,

Dani / @daride

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Daniela,

Hahahah, pois é Dani! O pior é que a gente passa por aflições e momentos que tudo vem de uma vez só, não é? Eu já passei por vários momentos que pareciam não ter fim.
Mas até os piores ou mais assustadores momentos podem ser consertados. Se não forem consertados, o ângulo pelo qual estamos olhando a situação pode ser mais favorável, não é?

Enquanto lia o livro, ficava pensando “Ai, seria tão bom se meus quatro lhasas falassem comigo”. Depois vi a bagunça que eles fazem aqui dentro e pensei “Não, está ótimo do jeito que está, sem reclamações ou cobranças”.
Deus sabe o que faz, não é incrível? =)

Beijos!




Tais, disse: - 20-06-2012 (20:36)

Eu achei a capa desse livro tão fofinha.
Amo cachorro *.*
Confesso que a príncipio não tinha ficado com vontade de ler esse livro não, mais depois da sua resenha mudei de ideia.
Vou adicionar a lista dos desejados..rsrs

bjs
Tais
http://www.leitorafashion.com.br

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Tais,

Oi flor!
Sim, muito fofa! Eu adorei a sinopse do livro e apesar de o foco ser em Paul e nos obstáculos de relacionamentos, Stella – a cadela – se saiu muito bem no livro. É uma leitura muito boa. Eu gosto muito de livros que me faz marcar quotes marcantes, sabe? E nesse livro tirei vários!
*-*

Beijos!




Jayane, disse: - 20-06-2012 (22:17)

Muito analítico esse livro,acho que vou passar essa.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Jayane,

Oi Jay!
Apesar de parecer analítico, digamos que é um livro que nos faz refletir sobre a vida mas de maneira mansa, sem forçar nada, é automático. Não leva ninguém à depressão ou tristeza mas os obstáculos que Paul vivencia e precisa vencer ajuda a gente a ver como a vida é passageira: os problemas, as pessoas, as situações, os sentimentos.
Um livro muito bom. Espero que tenha o interesse algum dia e, quando tiver, me diga o que achou! ;)

Beijos!




Maysa, disse: - 21-06-2012 (09:42)

ai fiquei meio perdida com essa resenha…
cara complicado eein! hahahaeu fujo de livros assim por que acabo ficando depressiva juunto com o personagem, mesmo que ele não seja a depressão em si!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Maysa,

Poxa, sério May? Aainn, desculpa pela complicação na resenha mas como eu disse no começo, quando se trata de relacionamentos, nossa, é difícil se expressar com clareza. São muitos obstáculos que Paul enfrenta e quando descobre que seu pai sofreu um derrame, nossa, parece que tudo fica mais bagunçado, entende?
Eu entrei mesmo nos problemas do personagem, tentei ver todos os pontos de vista e o mais curioso é que, ao invés de me deprimir com ele, fiquei esperando uma atitude, a mudança oportuna e quem sabe levar as dicas para minha vida. Gostei bastante!
Não é uma leitura depressiva, fique tranquila! ;)

Beijos!




Lucy, disse: - 21-06-2012 (11:55)

Ah, gostei do enredo, mas é o tipo de história que eu me deprimo com a personagem hahaha!

Hm… Será que é um tipo de Marley e eu? O livro parece bom, de qualquer forma. Já o vi nas livrarias e fiquei me perguntando do que se tratava. Gostei da resenha, Jeh! Vou pensar com carinho nesse livro. heheh
Bjos bjos

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Lucy,

Hehehehe sério Lu? Aah eu confesso que me encontrei diversas vezes nos pensamentos do Paul. Mas talvez por esse motivo, ao invés de eu me deprimir com ele, fiquei curiosa pra saber que decisão ele tomaria, se ele mudaria de vida, se aconteceria alguma coisa que – quem sabe – poderia acontecer comigo, entende? Não é tipo “Marley e Eu”. A estória é voltada exclusivamente para Paul e os relacionamentos, Stella é uma personagem importante mas ainda assim não se torna principal…
Mas é um livro muito bom, vale a pena Lu!
Beijos!




Beatriz Gosmin, disse: - 21-06-2012 (15:33)

Nossa, não imaginava que o livro fosse assim.

Realmente, falar sobre relacionamentos é difícil porque precisa de experiência.

O livro parece ser do jeito que eu gosto, e agora fiquei com vontade de ler. O personagem principal parece ser um típico cidadão do século XXI, com todos seus problemas e tals.

Beijos e ótima resenha!

Bia | http://www.livroseatitudes.com.br

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Beatriz Gosmin,

Verdade! Paul é um personagem típico do século XXI e os obstáculos que ele tem que enfrentar às vezes são os que a gente foge todos os dias. Chega uma hora que a vida pede uma resposta, encarar de frente os problemas ou as situações não resolvidas nos relacionamentos, né? Uma leitura muito boa!

Beijos!




Laíza Foizer, disse: - 21-06-2012 (19:23)

Jeh,

Que joia poder ler sua resenha!
Já tinha visto este livro na livraria e me interessei, pois pela capa dá pra perceber que a história envolve cachorrinho, hihi, e eu amo estas histórias que envolvem esse bichinhos especiais ˆˆ

Mas, como vc mesma disse, e deu pra perceber isto na resenha, a história de Paul parece ser meia depressiva e talvez, vc que leu o livro possa me dizer, o livro também seja depressivo???
Mesmo assim, gostei porque vc disse que é um livro que nos faz refletir sobre a vida e acho interessante quando um autor vem com esta proposta. Só por causa disso, me interessei, mas acho que para uma leitura mais frente, hehehe, por enquanto quero algo mais alegre, que me deixe mais pra cima, motivada sabe?

Gostei também na conclusão quando vc disse: “força de vontade – as mudanças despertam, seja em câmera lenta ou em um trem bala. O importante é que não há fim do túnel enquanto estiver vivo, sempre temos algo para aprender, para mudar, para criar, renovar… É a dinâmica da vida!”
Interessante sua definição para “mudança” seja ela em “câmara lenta” ou “trem bala” o que importa mesmo é passarmos por ela de forma positiva, trazendo no final o troféu da vitória!!! (nossa filosofei geral, hehe, desculpa)

Bela resenha! Parabéns!!! ;)
Beijos! Até a próxima!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Laíza Foizer,

Oi Lah!!
Que bom que gostou da resenha, hhihih! Então, depende do ângulo que você prioriza a estória. Paul passa por vários obstáculos em relacionamentos, depende de como o leitor vai lidar com isso. Apesar de ele ser uma pessoa que não confia em si mesmo, um cara meio pra baixo, a estória não se torna depressiva. Em alguns momentos é triste, mas a maior parte me fez refletir na minha vida. Acho que foi por esse ângulo que vi o livro, hehehe. Mas espero que você goste, e quando lê-lo, me conte o que achou! *-*

Super beijo! ;*




Poly, disse: - 21-06-2012 (20:53)

Esse livro está na minha wishlist. Tinha me interessado pela sinopse, mas sua resenha me conquistou de vez.
*_*
Parece ser lindo mesmo.
Bjuxxxxx

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Poly,

Ebaaa!!! Tenho certeza que você vai gostar!! Huhuhuh, quero ler sua opinião sobre o livro! \o

Beijos!




Anna Schermak Alves, disse: - 21-06-2012 (21:40)

Flor. Que lindo. Agora você me deixou com vontade de ler.
Gostei muito da resenha, mas acho que o livro iria me emocionar como todos nesse gênero estão fazendo.

Beijos, estava com saudade de passar aqui já.

http://www.pausaparaumcafe.com.br/

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Anna Schermak Alves,

Iupi!!! Essa foi minha intenção, porque o livro vale a pena sim!! Relacionamentos estão por toda a parte, né? Às vezes eu não presto atenção nisso mas até aqui no blog, com os leitores, temos um relacionamento. Que coisa, né? Hehehe, mas enfim, é muito bom!

Beijinhos e ótima semana!




Ane Reis, disse: - 21-06-2012 (22:12)

Oie Jeh =)

Este livro deve ser lindo mesmo, mas não consigo ler livro que tem animais. Para você ter ideia tenho o Marley e Eu faz quatro anos e não tenho coragem de ler. Sei que vou ficar chorando horrores, por dias rs…

Linda sua resenha flor, parabéns!

bjus

anereis.

mydearlibrary | bookreviews • music • culture
@mydearlibrary

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Ane Reis,

Oi flor!! Hehehe, eu ainda não li Marley e Eu mas confesso que já até perdi a vontade. Nesse livro, Stella não tem tanta força como personagem, mas você pode se emocionar sim porque ela também tem uma função no livro e tal, enfim, hehehe….

Beijos! ;*




Amy, disse: - 22-06-2012 (02:31)

preciso ler esse livro, vc tem o poder mágico de me deixar com vontade… sua chata :p
acho bom tu vir pra bienal viu?
ram
beijos
amy – Macchiato

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Amy,

Hahahaha, que bom que você ficou com vontade de ler este livro!!! E claro, quero saber sua opinião!! \o

Ihhh nena, tá ficando mais difícil a cada dia que passa MAS ainda há esperança, hehehe!

Beijos!




Aline Coelho, disse: - 22-06-2012 (10:04)

Seu blog é lindo parabéns!!!!
Estou te seguindo no face ok!!!!
Te convido para conhecer o meu \o/
Seja sempre bem vinda!!!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Aline Coelho,

Oi Aline! Muito obrigada pelo carinho! \o
Seja sempre bem vinda! Vou visitar o seu blog também! =)

Beijos!




Cris Aragão, disse: - 22-06-2012 (22:26)

Adoro livros sobre relacionamentos e conflitos familiares, sempre tem um personagem com quem eu me identifico. Esse livro parece ser realmente muito bom.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Cris Aragão,

Iupi!! Então você vai gostar desse!! Eu também gosto, ainda mais quando eu posso extrair boas lições de vida! =)

Beijos!




CheiroLivros, disse: - 25-06-2012 (09:35)

Que lindo a divisão por estações :O Aparentemente a narrativa parece ser bem complexa em relação à filosofia de vida e emoções, acho livros assim muito construtivos, têm sempre uma mensagem bonita pra gente guardar ;)

Tive a impressão que para Paul, a Stella parece ser um anjinho de quatro patas. Adoro quando os livros colocam os bichinhos assim, como um toque de Deus na nossas vidas.

Sou apaixonada por histórias com cachorros *-* não li nenhum livro assim que não tenha me emocionado! Eu é que “Queria que esse livro estivesse aqui” para lê-lo hahaahah (trocadilho tosco kkkkk)

Beijos, Jeh :*
Mi – http://www.CheiroLivros.com

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@CheiroLivros,

Oi Mi!
Pois é, apesar de relacionamentos serem complexos, o autor não “inventa” palavras e narrativa, ele consegue transmitir os sentimentos do personagem muito bem!
Sim, Stella é uma personagem muito importante para Paul. Eu terminava alguns trechos marcantes do livro e olhava para meus quatro lhasas e fiquei pensando “será que eles me entendem?” hehehe, coisa boba… mas é um livro muito bom, vale a pena!
Hehehehehe, o trocadilho foi bom! ;)
Beijos! ;*




Giovanna Prates, disse: - 18-07-2012 (23:30)

Nossa, realmente a vida de Paul Gustavson é complicada. E me chamou muito a atenção. Achei interessante e muito linda a história dele, me deu vontade de ler esse livro, e agora? kkkkk Tenho certeza que esse livro dá uma lição de vida as pessoas que leem.
Muito bom. Adorei a resenha.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Giovanna Prates,

Nem me fale Gio! Quem lê fica mais impressionado(a) porque acompanhamos e conhecemos alguns detalhes que não fica legal soltar na resenha, rs.

Eu recomendo! E, se você ler, me fala o que achou? *-*

Beijos!




@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo