categoria2 category image

Mal Intencionados :: Geyme Lechner

18 . abril . 2012

Uma das resenhas mais intrigante que me propus a fazer. Não é a primeira vez que Geyme Lechner me cativa com sua narrativa fluída, personagens mirabolantes e um enredo que descreve a sociedade brasileira. Com Mal Intencionados, fiquei absorta em um mundo fictício mais próximo da realidade do que eu imaginava. Por favor, leia a resenha por completo para entender o enigma que o livro deixou em minha mente.

Mal Intencionados
Autora: Geyme Lechner
Ano: 2012
Páginas: 326
Editora: LP-Books

* Livro enviado pela autora como cortesia.

Sinopse:

Em Curitiba (1990), nasce Tomás, um garoto fruto de um amor entre uma adolescente e um adulto. Ana e Antônio se conheceram de uma forma nada inocente, revelando uma atração sexual, um amor obsessivo e possessivo e um casamento sem saída. Mas Tomás, um filho ciumento e apaixonado pela própria mãe, vai tornar a vida do casal um verdadeiro inferno, principalmente para o pai, atormentando e afligindo a união matrimonial. Com o pai fora de sua vida, Tomás descobre que o lugar paterno foi substituído por um “homem de barbas”. Damião é o novo chefe da casa e vai ensinar como a vida realmente é para os “machos” da sociedade.
Através de más intenções, todos os personagens interligados entre si, irão te apresentar o lado avesso da vida que você sempre conheceu.

Livro recomendado para adultos.

Ana nasceu em Londrina, em 1976, vivendo com seus pais em uma vida relativamente confortável até que veio a crise do café. Aos 13 anos, morando com sua mãe, Ana descobre o amor pelo seu vizinho Antônio. Todos os dias, Ana esperava ansiosamente o barulho da lambreta de Antônio e esperava o momento de agir sedutoramente para conquistar o amor por trás daquele corpo. Entre a sedução forçada e obsessiva, Ana e Antônio começam a se relacionar, tendo o sexo como o principal conector entre os dois.
Vestida de cordeiro, Ana cresceu com a sensualidade exalando entre os poros, aproveitando dessa qualidade para conquistar o que até então era desconhecido. Depois de seduzir e ser possuída agressivamente por Antônio, aos 13 anos, Ana estava grávida do pequeno Tomás.

Apesar da gravidez inesperada, da imaturidade de Ana e da idade de Antônio (com 32 anos), o casal abraçou a situação da melhor forma que a realidade poderia contribuir. Mudaram de bairro, se instalaram em uma nova casa, e a decoraram de acordo com o que poderia se chamar de lar. Tomás nasceu prematuro, com 900 gramas e já parecendo um rato. Tomás sempre teve uma paixão por sua mãe, a mulher que o trouxe ao mundo com tanto carinho. A afeição e ligação eram tão grandes que aos cinco anos Tomás ainda queria ser amamentado nos seios da mãe. Era dependente de Ana para tudo e gostava disso.

Trabalhando com geléias caseiras, Ana se deliciava com a vida que tinha: um filho carinhoso e que a amava incondicionalmente, o marido que desejou desde sua adolescência, uma casa confortável e um trabalho que a deixava satisfeita. Estava sempre com um sorriso no rosto, adorava o cheiro das frutas e era responsável com o serviço.

O tempo foi passando – como deve ser, claro – e Tomás se tornou um “pré-adolescente” de 12 anos totalmente cruel. Um garoto mal, pervertido e que não suportava ver seu pai perto de sua mãe. O desejo de tê-la inteiramente só para si foi dominando a mente do garoto. Queria casar com a própria mãe mas enquanto Antônio estivesse no caminho, nada aconteceria.
Entre brigas e discussões, Tomás dificultava a comunicação de pai e filho, tornando tudo insuportável a ponto de o pai ir embora de casa, abandonando esposa e filho. Para Tomás, um sonho se tornando realidade. Para Ana, a vida entrando em desgraça.

Mas todo sonho pode ter um caminho tortuoso e quando Ana conhece Damião, o “homem de barbas”, tudo muda drasticamente na família despedaçada de Tomás. Damião veio de Goiás, era filho caçula de uma família “religiosa” mas considerado a ovelha negra da família. Com todos os acontecimentos durante o seu crescimento, Damião se tornou um homem rígido, grosseiro, mas com uma aparência de que sabe das coisas e de como ensinar um garoto a ser a cabeça da casa. Assim, Damião começa a ensinar Tomás algumas lições que a vida nunca ensinaria para qualquer adolescente: filmes pornôs, cigarros, bebida e submissão.

Tomás cresce em um ambiente hostil que deveria chamar de lar. Todas as sexta-feiras, pessoas desconhecidas “invadem” sua casa para beberem e fumarem ao redor de uma mesa, com risadas e estórias de adultos. Não reconhece sua mãe em torno de bebidas e fumaça, odeia o homem de barbas mas em um desses encontros, Tomás conhece Maria Molambo.

Maria Molambo – nome dado por sua mãe em homenagem à pomba gira – é uma garota de 18 anos que trabalha, é responsável e leva uma vida diferente da de Tomás. Fascinado por aquela garota, Tomás vai tentar mudar o rumo de sua vida e da sua própria mãe, trazendo de volta a felicidade que roubara de forma egoísta e mesquinha. Mas claro que nem tudo é x-salada e coca cola. Trazer de volta algo que você não possuiu é um sonho que demora para ser conquistado e às vezes a luta não chega nem na metade do caminho.

Como eu disse, descrever Mal Intencionados é uma tarefa difícil. Geyme Lechner tem essa ousadia em trazer à tona questões e situações impregnadas na sociedade através da religião, família, relacionamentos e governo que muitos não se atrevem. De forma nua e crua, a autora vai apresentando fatos, discórdias, desordem e manchas que corrompem toda a estrutura de uma vida, estando ela fragmentada ou não.

Não existe mocinho nos livros da Geyme. Existem algumas boas intenções mas nenhuma delas torna qualquer personagem um mocinho por quem você se apaixona. Sem medo de despir a cara do Brasil, Geyme é detalhista nas dores, nas desilusões, nas intenções de cada personagem que compõem o livro. Cada personagem, desde o pequeno Tomás até Damião, são personagens compostos de caráter duvidoso, movidos pela ambição e nada mais que isso.

Através da estória muito bem narrada, a autora aponta questões dentro da vida de cada personagem: a religião, marcada pela Igreja Universal do Reino de Deus e a corrupção dentro da casa de Deus; a pederastia dentro da Igreja Católica. A homofobia versus o homossexualismo e o resultado desta contenda na sociedade. A pedofilia dentro de casa, mudando drasticamente o caráter e personalidade do ser humano. E outros assuntos relevantes como traição, obsessão e vingança. Como a própria autora disse, é um verdadeiro mundo “dantesco”.

Não recomendo este livro para crianças e adolescentes. Tanto pelos assuntos trabalhados quanto pela descrição detalhada e fortíssima dos momentos vividos pelos personagens. Também não recomendo para pessoas que não tem uma base sólida de seus próprios conceitos, ideologias e fé. A autora realmente pega no calo da religião, principalmente da IURD. Portanto, se você é uma pessoa facilmente influenciada, pode acabar ficando confusa sobre tais assuntos.
O motivo de eu ter dado três estrelas para o livro não tem nada a ver com a estória. Ao contrário, eu gosto da escrita da Geyme, da sinceridade e da facilidade que tem em trazer à tona questões que a gente empurra para debaixo do tapete. O acréscimo de acontecimentos históricos verdadeiros na sua ficção (como a crise do café, a queda do muro de Berlim, o governo de Collor). Mas alguns pontos criticados no livro não foram de encontro aos meus “conceitos” e eu, como formadora e formada de opinião, tenho o direito de não concordar com algumas coisas. Apenas isso, mais nada.
É um livro pesado? Sim, muito. Tem que ter coração forte para dar continuidade à leitura? Sim, tem. (Eu demorei um bom tempo para “digerir” acontecimentos que me deixaram perplexas, mas fui firme e forte). Mas é uma leitura muito interessante que abrirá seus olhos para o mundo como um todo e não apenas fragmentos “lindos” que a gente pinta sobre ele.

Em breve teremos sorteios e booktour para vocês! Estou muito curiosa para ler a opinião de outros leitores e compartilhar informações ocultas para não soltar spoilers na resenha!
Um beijo e até o próximo post!

Geyme Lechner

Geyme Lechner Mannes nasceu em Florianópolis, Brasil. Estudou filosofia na faculdade nacional de Rosário, Argentina. É autora de “Meninas bonitas não são para casar”, (agora: “Anjos em pecado”), e Mal intencionados. Ganhou vários concursos literários, nacionais e internacionais. Morou na Argentina e Alemanha. Atualmente vive na Coréia do Sul e se dedica exclusivamente à literatura. Para saber mais sobre a autora, acesse: www.geyme.com

Site da autora | Site da LP-Books


• Hey! Deixe um comentário aqui •

• Temos 28 comentários nesta postagem" •

Isabela Minati, disse: - 18-04-2012 (17:47)

Oi, Jeh!
Esse livro realmente parece ser beeeeeem forte. Mas estou super curiosa e quero muito lê-lo. Mas ele já está a venda? Acho que ainda está sendo lançado, né? Estou bem por fora :x
Adorei a sua resenha! Seus textos são muito bons de se ler! Se algum dia você tiver ideias para criar um livro, saiba que a narrativa dele não será um problema para você! E você já tem uma leitora garantida! haha.
Mas que ótimo que vai ter sorteio, vou participar bastante ;)

Beijo!


Isabel Maia, disse: - 18-04-2012 (19:29)

Se esse livro fosse um programa de TV ou um filme, com certeza seria de categoria +18 anos.
Realmente a Geyme botou a veia da polêmica pra funcionar. Mas tem histórias que precisam ser contadas assim, de maneira cruel e rude, para terem o impacto que o autor pretende.
Parabéns pela resenha flor.

Um beijão gigante :)


Tais, disse: - 18-04-2012 (19:40)

Ai que coisa mais perfeita o novo layout *.*
Acabei de ver, parabéns tá lindo.
Quem me derá ter esse seu talento, estou sempre querendo trocar o meu e não consigo.

Sobre a resenha o livro parece ser muito bom, histórias mais fortes não fazem muito o meu estilo mais de vez em quando gosto de ler coisas diferentes e mais reais.

bjs
Tais
http://www.leitorafashion.com.br


Maria Silvana, disse: - 18-04-2012 (19:43)

Oie, Jeh ;)
Menina, o fato de ler o que escreveu me pareceu lendo o livro que é cheio é muito forte e cheio de assunto polêmicos.
Que infelizmente essas coisas acontecem na vida real nao sendo só estória de livros :/
Não conhecia a autora, é sempre bom conhecer mais uma.
Bjs


Marion, disse: - 19-04-2012 (02:49)

É o segundo livro da Geyme Lechner que li, o livro é fascinante, surpreendente, muito louco!!! Diferente de tudo que lemos por aí. Eu o li em uma tacada, pois não consegui largá-lo até chegar no final. Fiquei tão envolvido na história que cheguei a ter dores no rosto por conta de um dos personagens! Com certeza, a Geyme promete mudar a cara da literatura nacional! lol Mas claro, em sua época, Jesus não conseguiu agradar à todos, a escritora Geyme Lechner também não o fará… Quando tiramos a realidade que fica “escondida” debaixo do tapete, a tendência é criar polêmica!!

A propósito, adorei sua resenha! :-)
Beijos


Kácia Ribeiro, disse: - 19-04-2012 (07:09)

o.O

Gostei da resenha, e sinceramente, conheço pessoas possessivas com seus pais e mães, isso é bizarro. Vi um filme uma vez, não lembro o nome (novidade isso), mas a estória era meio parecida, mas o que aconteceu, foi que o filho foi separado da mãe, e depois de anos e anos, a mulher foi parar na prisão, e tinha um cara que a estuprava todos os dias, e quando acontece algo lá que eles conseguem fugir, ela descobre que o estuprador é seu filho que foi tirado dela…

Triste, mas acontece na vida real ;/

Amei o Layout hihihi lindoooooooo como minha amora mais gata!

Te amo amo amo


Bruna Mateus da Silva, disse: - 19-04-2012 (10:06)

Uau Jé, livro forte hein… não sei se faria meu estilo de leitura, talvez eu ficasse muito confusa, já fiquei só com a resenha… sou daquelas que não quer ler esse lado negro das pessoas… >.<
Mas provável que ele mostre nossa realidade mesmo.

Beijos


Lucy, disse: - 19-04-2012 (12:21)

Confesso que fiquei com um pé atrás, apenas porque não estou na vibe de livro com assunto mais polêmico e realista. Fiquei triste pela Ana, por ela tentar acabar com a vida dela se juntando com o Damião. Longe de ser um relacionamento saudável, mais parece uma punição por ter perdido o Antônio. Já o Tomas, é bem complicada a situação dele, hein? Fiquei muito curiosa sobre as reviravoltas que o livro pode dar, já que de repente ele mostrou interesse por outra pessoa.
Livro bem chocante, talvez um dia eu consiga ler. hehe


Lucy, disse: - 19-04-2012 (12:21)

Esqueci de comentar do lay! Está muito fofo! hehe
bjos bjos


Helana, disse: - 19-04-2012 (12:26)

Gosto de livros que abordam assuntos “polêmicos” é uma pena que não são todos que podem ler Mal Intencionados. A história em si me pareceu surpreendente.
Captei muito bem o sentido da obra e acho que ainda posso acrescentar que livros que não tem mocinhos e bandidos são excelentes, mostra uma coisa que sempre afirmo – ninguém é 100% bom e 100% ruim, todos temos defeitos.
Parabéns!


Quequel, disse: - 19-04-2012 (14:44)

Oiee !
Leitura pesada?
Vou passar … pelo menos por enquanto!

Pois é.. tu numa ressaca literaria sem fim !
Bjinsssssssssss


Jeh Polato, disse: - 19-04-2012 (17:54)

Uaaau, Jeh.
É só o que posso dizer depois de ler essa resenha.
É muita coisa para um livro só. E são informações pesadas, que requer do leitor um desprendimento.

O fato do filho se apaixonar pela mãe, igual Èdipo na mitologia (daí o nome do complexp..rs) já faz a gente pensar. Porque, acho, que é um tema bem forte. Porque foge um pouco da normalidade.

Enfim, se eu continuar com esse comentário vou viajar geral. Fiquei intrigada com o livro e curiosa também.

Sua resenha foi muito boa. Gostei muito.

bjinhuxxx
@jeh_polato
Eu li e Divulgo


May, disse: - 19-04-2012 (21:38)

Nossa, fiquei MUITO curiosa pra ler esse livro, agora. Gosto de livros que me fazem pensar e questionar sobre determinados assuntos, e esse parece um desse tipo.

Resenha maravilhosa!
Beijinhos,
May ;*


Priscilla Duhau, disse: - 19-04-2012 (22:43)

Eu, como uma boa amante de temas polêmicos e fortes, fiquei com MUITA vontade de ler esse livro! Parece ser exatamente o tipo de livro que eu gosto de ler, bem intenso, com uma temática bastante adulta e que coloca em xeque questões tão polêmica e fortes.
Como uma super fã de Freud, adorei o fato do livro explorar o Complexo de Édipo, uma das teorias freudianas mais conhecidas e que tanto me interesso por estudar.
Mal posso esperar pelos sorteios e book tour desse livro, já que eu preciso lê-lo urgentemente!

Beijão ?
Priscilla Duhau
Livrificando


charlesnetto, disse: - 20-04-2012 (06:40)

Lendo a resenha de seu livro pude observar de leitura fácil assim como deve ser a sua interpretação, mas vejo que seria indicado para o público de jovens/adultos, visto a sua narrativa ser bastante impactante embora a tempos tem ocorrido isso em nossa sociedade e que volta e meia se tem notícia nos nossos periódicos/jornais de todas as cidades .
Sendo assim isso não há como negar devido os fatos serem bem marcantes e pontuais e entendo que essa Obra Prima deverá fazer Muito Sucesso e quem sabe descoberto por um Bom Diretor de Cinema ou mesmo de teatro poderá ser adaptado facilmente para um ótimo Filme para a Dramaturgia pois demonstra ter conteúdos bem claros para essa finalidade!
E pude ver que Autora “Geyme Lechner ” estava em uma faze de Muita inspiração quando conseguiu editar esse Livro interessante aliado ao um clima fantástico que consegue prender a atenção de um atento leitor que venha querer lhe prestigiar e fica até mesmo surpreendido pela cativante temática desenvolvida na escrita de belíssima resenha do Livro intitulado “Mal Intencionados”.
Eu penso que ganhei muito em conferir tal indicação de leitura e assim o faço para os demais leitores e entendo que quem não conferir nunca saberá o que esta perdendo em sua leitura diária de bons livros e das(os) ótimas(os) Autoras(es), valeu mesmo e se me permites aqui neste espaço ainda que virtual deixar registrados o meu mais sincero e em particular parabéns e observo ainda que adicionarei esse comentário no Facebook e e em um dos meus mais novos blogs que passei a editar, ok!


Endryelle Santos, disse: - 20-04-2012 (10:15)

Guria, fiquei intrigada com este livro! Morri agora de vontade de lê-lo.
Adorei a resenha, flor!

Beijos grandes :*


Gilciany, disse: - 20-04-2012 (20:29)

Ai Jeh, que curiosidade menina, estou aqui me contorcendo…Adorooo uma polêmica, gosto bem mais de ler livros assim que os fofinhos que frequentemente estou lendo…é bom variar né?
Já fiquei contente por saber que brevemente terá book tour, eu querooooo muitooooooo participar! Preciso conferir este livro mulher! =P
Eu tenho meus próprios conceitos, mas ler certos pontos de vista enriquece nossa visão e nos proporciona um novo olhar sobre muitos assuntos.
Amo a literatura por isso, amplia meu campo de visão e não me deixar ser uma pessoa de mente limitada.
Como sempre, resenha impecável, parabéns! =D


Karine Marinho, disse: - 21-04-2012 (16:10)

Fiquei bem curiosa quanto ao livro depois da sua resenha, pena que estou sem tempo :/
Beijos,K.
Girl Spoiled


Fernanda Faria, disse: - 21-04-2012 (16:37)

Hmm, não sei se leria um livro assim. Não gosto desse tipo de leitura. Prefiro os meus YAs bonitinhos hehe
Mas gostei da sua resenha e sua opinião sobre ele.

Beijos


Amanda Cristina, disse: - 21-04-2012 (19:54)

Adorei sua resenha, Jeh!
Tenho muita vontade de ler livros assim, que criticam mesmo a nossa sociedade, sem medo algum. Sua resenha me deixou de boca aberta. Parece ser um livro realmente muito bom!
Acho que seria um leitura muito pesada para mim no momento, então não penso em ler em breve, mas fiquei interessada sim e espero lê-lo um dia. :)

Beijinhos, Amanda Cristina.
http://www.primeiro-livro.com


Hangover at 16, disse: - 21-04-2012 (22:52)

Meu deus, que complicado… Esse livro é bem pesado pelo visto, e com certeza não para quem quer apenas relaxar. Eu sinceramente não me interessei muito, mas deve ser um bom livro.

Você já viu a Gincana de Revitalização que estamos fazendo? As inscrições vão somente até 25/04, corre lá e participe dos desafios, concorrendo a vários prêmios! http://hangoverat16.blogspot.c.....o-001.html

xx carol


Felipe Santos, disse: - 22-04-2012 (13:56)

Nossa Jeh, esse livro com certeza é surpreendente. Amo assuntos polêmicos e poder discutir sobre eles, embora, costumo evitar, já que geralmente só dá briga. Acho incrível essa coragem de escrever sobre isso. Parabéns pela resenha, vou tentar ler esse livro. Ficaria feliz de participar de promoções ou book-tour desse livro, qualquer coisa avisa-me. Beijos e boa semana!

– Felipe Santos


Sandro Honorato, disse: - 23-04-2012 (10:46)

Jeh :)

Olha,me parece um livro bem tenso,bem pesado mas ao mesmo tempo deve ser uma excelente leitura pois trata de temas que não são habituais em outras obras.
Excelente resenha e dica :)

Beijos e tenha uma excelente semana


Lilian Britto, disse: - 23-04-2012 (19:35)

Oi Jeh! Hum, complicado mesmo ler livros com temas polêmicos e vão de encontro às nossas prórpias convicções. Eu curto ler livros assim, que me fazem pensar, que me fazem refletir sobre as coisas. Não sou inflexível com nada! Mudo tanto de opinião… Mas mesmo assim, creio que esse livro me faria pensar…
Beijos Jeh, fique com Deus, linda semana =*

@morenalilica


Geyme Lechner, disse: - 03-05-2012 (03:35)

Oi meu amoreco!! Que lindo post, resenha completíssima!!!! Gostei demais da sua sinceridade ao colocar os pontos quais sua crença e opinião divergem com a leitura, é assim mesmo! E o livro tem essa intenção (má intenção?) rsrsr Não cito a intenção de formar opinião, mas colocar algumas em xeque, na berlinda, para pensar e repensar, sem pretensões de mudar o mundo ou as pessoas, mas mostrar que há algo errado por aqui… Acredito que temos a bondade e a maldade dentro de nós, digo isso não por minha “crença” (ou falta de crença em Deus, deuses e religiões), mas sim, por assistir essa sociedade falida qual vivemos, por ser espectadora de ações que chocam, ferem, denigrem. Já conheço um pouco você e sabia desde o princípio que sua opinião acerca da trama e dos personagens poderia “chocá-la”, ou até mesmo fazê-la ter raiva de tudo isso que escrevi… Sei ainda que corro o risco de “chocar” e “afugentar” alguns leitores, mas esse é o estilo que descobri em mim quando comecei a escrever e vou peitá-lo, levá-lo adiante, pois gosto de escancarar o que acontece em nossa sociedade (o podre) aos quatro ventos. Acho que resenhar esse livro não foi uma tarefa fácil para você, assim como ler alguns pontos específicos nele… No entanto, com uma sabedoria magistral, você o descreveu muito bem. Como escritora da obra, não colocaria nem tiraria uma palavra do que li aqui (na sua resenha). Nossas opiniões diferem? Oh, ainda bem! Já pensou se todos tivéssemos a mesma opinião, crença, ideologia…? O mundo seria chato demais (se já não o é), haha Te adoro demais, vc está no meu coração! Repito que o Meine Liege é o meu blog literário favoritíssimo, tudo porque vc é inigualável, chega chegando e conquista mesmo! Meus votos de sucesso nessa jornada, que esse trabalho tão bonito continue!! Beijo enorme, que nossa parceria siga sempre, firme e forte!!


George, disse: - 29-08-2012 (16:21)

Sim, mas no final não entendi o motivo que a fez dar três estrelas ao livro…

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@George,

Olá George, obrigada pelo seu comentário! O motivo principal de ter dado três estrelas é que a opinião da autora em relação à religião e fé não encaixam com a minha. E o livro é bem forte, restrito para adultos.

Boa semana!




@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo