categoria2 category image

A Música Que Mudou Minha Vida :: Robin Benway

15 . janeiro . 2013

Apesar de O lado bom da vida ter sido a primeira resenha no Meine Liege, este livro é o primeiro lido de 2013! Nem preciso dizer que fiz uma ótima escolha, dentre os quatrocentos e tantos livros que tenho aqui. Entre ler e reler, optei por uma história leve, muito divertida e que me rendeu cinco estrelinhas!

A Música Que Mudou Minha Vida (Audrey, Wait!)
Autora: Robin Benway
Páginas: 364
Editora: Galera Record

* Livro enviado pela editora como cortesia.
Sinopse:

A vida de Audrey Cuttler não tem sido a mesma desde que aquela música chegou ao topo das paradas. Ela só queria ir a shows, andar com seus amigos e, talvez, arrumar um encontro com o gatinho do trabalho, mas agora Audrey é… famosa! Não famosa do tipo coisas-grátis-e-crachás-para-o-camarim. Famosa do tipo paparazzi-escondido-nos-arbustos, o pior-momento-da-sua-vida-estampada-por-toda-a-primeira-página. Tudo por causa da música que o ex – namoradofez sobre o rompimento dos dois – o hit do momento, quer dizer, um desastre! Audrey não quer ser a garota dos refletores, mas uma vez que o mundo decide que ela é uma estrela, será que a sua vida algum dia vai ser normal de novo? Prepare – se para descobrir, porque está na hora da Audrey contar o seu lado da história.

Crédito: Skoob

“Se quiserem realmente saber algo sobre mim, têm que saber isso: eu gosto da minha música alta. Quero dizer, muito alta. Não estou falando do tipo de alta em que os seus pais batem na porta do seu quarto e pedem para você abaixar. Por favor. Isso é coisa de amador. Quando digo alta, quero dizer alta, quero dizer alta você-não-consegue-ouvir-seus-pais-batendo-e-os-vizinhos-estão-botando-uma-placa-de-VENDE-SE-na -frente-de-casa-e-se-mudando-para-outro-quarteirão-porque-não-conseguem-mais-aguentar-o-barulho-constante. Tem que aumentar o volume até o peito tremer e a bateria entrar por entre as costelas e entortar o cérebro, e tudo o que você pode fazer é dançar ou girar em círculos ou gritar junto porque sabe que, não importa o que a música faça você sentir, é perfeito.
Se não é esse tipo de pessoa, então não acho que seremos grandes amigos.”

Apresento-lhes Audrey Cuttler, 16 anos, musicaholic (essa palavra existe?) – viciada em compilação de CD’s – e amante de colagens de suas bandas favoritas (você precisa conhecer o quarto de Aud!). Vivendo no anonimato, a vida de Audrey poderia ser como a de qualquer uma. Qualquer uma. Mas uma música, de uma banda local, a transforma na adolescente mais famosa de Los Angeles. E o que mais eu poderia mencionar sobre isso? A banda é, nada mais e nada menos, de seu ex-namorado Evan Denisson.

Cara, a questão é o seguinte: quando você tem mais de cinco razões para terminar com um garoto, você vai lá e termina, por favor. Audrey está no segundo ano na Jackson High, namora Evan há onze meses e descobre que sua lista tem mais de cinco razões para terminar com o garoto (fuma maconha demais; está sempre “ensaiando” ou “fazendo um som”; ele é descansado de tudo. TUDO.; etc). Tá certo que terminar com um garoto não é de uma hora pra outra, do tipo “Ei, vamos animar as coisas!”, então realmente é preciso de um tempão para tomar uma decisão dessas. E é claro que tem que ser feita no território do garoto – fica mais fácil zarpar do local sem qualquer vestígio ridículo de choramingos. Mas Audrey resolve terminar seu namoro justamente no dia em que a banda tocaria na Jukebox e um cara de uma gravadora apareceria pra avaliar o som dos caras. Ah, fala sério! Audrey, espere! Sem ao menos olhar para trás, Audrey só deixa com o garoto a certeza de que iria ao show mais tarde (esse lance que as meninas têm de farei-um-último-favor-em-nome-de-tudo-o-que-vivemos).
É, Audrey, sua vida está prestes a mudar!

Na Jukebox, a galera do colégio de sempre. Os Do-Gooders estão no palco, apresentando a velha-playlist-de-quatro-meses-de-sempre. Nada muito raro. A não ser quando o vocalista, Evan, anuncia a nova música da banda. #congele.
A música se chama – pft, nada menos de se esperar – “Audrey, espere!” – e fala sobre uma garota que não teve dó e machucou o coração do garoto. Sabe o que é pior do que ouvir uma música com o seu nome, sobre o pé na bunda que você deu no namorado? É a música ser contagiante!

Já deu pra sacar que, tanto a carreira do Do-Gooders e a vida da própria Audrey irão virar de cabeça para baixo. Alguns curtem ficar de ponta cabeça e a banda simplesmente some de Los Angeles, tentando alcançar um lugar digno no mundo das celebridades musicais.
Audrey, ao contrário, terá que lidar com a fama, os paparazzi, as fofocas em fóruns de sites, a boa (e má) publiciade de qualquer jeito. Mas, por sorte, ela pode contar com sua amiga super engraçada Victoria , nerd de Harry Potter, namorada de Jonah – o namorado-amigo bacana – que adora uma boa música e sabe curtir a desgraça alheia com estilo!

Engraçado que, quanto mais você tenta manter sua identidade, mais ela muda. Com Audrey não é diferente. Depois de todos no colégio associarem a “Audrey, espere!” à ela, sua vida está pertinho de se tornar alvo da fama também. Continuar trabalhando na loja de sorvetes Scooper Dooper – que, por sinal, fica no lugar que Aud mais odeia: o shopping – ao lado de James, o ruivinho nerd, estranho, que só fala de trabalho…. no trabalho. Continuar estudando na Jackson High e evitar a periguete Sharon Eggleston e sua gangue de batom e salto alto não vai maquiar o fato de que Audrey, bem, é a AUDREY! OMG!

Agora, ser alvo de matérias distorcidas em revistas, jornais e fotos do seu anuário escolar podem não ser tão ruim assim. Afinal de conta, me diz, quem é que não gostaria de ter acesso VIP àquele show maneiro, daquela banda que você adora, só porque você é a “Audrey, espere!”? Ou ganhar produtos de beleza de graça? Ah, fala sério! Até Audrey tem que entrar nessa onda, Victoria vive dizendo isso à ela! Que se danem os comentários dos fãs, vida de celebridade é boa demais. E dar uns amassos em Simon, vocalista da banda Lolitas, é a melhor coisa que poderia ter acontecido.

Só que todo amasso tem seu preço. O vídeo dos pombinhos se pegando no fundo do prédio é solto no Youtube e em diversos sites – cara, como é que as coisas ficam visíveis tão rápidas? o.O – e agora a privacidade de Aud está por um fio. Isso sim é chato, cara. Ter que ficar na secretaria do colégio todos os dias para não causar alvoroço na sala de aula; tirar fotos e dar autógrafos no Scooper Dooper enquanto o coitado do James, todo desajeitado, tenta lidar com as meninas-tietes; o e-mail e o número do telefone trocados várias vezes por invasões inconvenientes. Aff, ninguém suporta! Ok, Victoria ainda consegue se divertir com toda a situação, mas não sei como.

Parece que James é o único garoto que consegue ficar perto de Audrey sem mencionar A Música, perguntar qualquer aleatoriedade sobre a menina – como, por exemplo, quem deu o fora em quem – e gosta de Audrey como ela é. Own, nasce aí uma bela amizade (caham). Em James, Aud encontrará um cara que não é tão nerd assim – na verdade é um gatinho – e que também ama compilações e colagens (cinco pontos extras para James, plin!).

E agora, o que será da vida de Audrey quando A Música alcança as mais ouvidas da Billboard e um convite para uma entrevista na MTV, em Nova York, ao lado do Do-Gooders (e ao lado do Do-Gooders eu quero dizer, do EX-NAMORADO) a espera?? Será que Audrey é capaz de retomar a sua antiga vida, anônima e feliz? Ou a vida de estrela é, realmente, a melhor escolha? Ao lado dos seus amigos, das suas bandas preferidas, os comentários irônicos do pai e de um bom cafuné da Bendomolena (gente, esse é o nome da gata da Audrey, pra vocês medirem o nível de criatividade dela, hahaha) para ajudá-la a tomar a decisão certa.

“É engraçado como cama, travesseiros e cobertas podem mudar a conversa. As palavras ficam silenciosas e você quer dizer mais e falar menos. É como se pudesse construir seu próprio mundinho. População: 2.”

Nossa, eu nem me lembrava de como eu gosto de chick lit, YA, (infanto) juvenil! Já faz um bom tempo que eu não me dedicava à esses gêneros e não me surpreendo de ter me apaixonado por “A música que mudou a minha vida”, da escritora Robin Benway!
Como uma música viciante (não dessas tipo “Ai, se eu te pego” mas dessas como “I set fire to the rain”, sabe?), impossível deixar Audrey “falando sozinha”. A gente quer sempre um capítulo a mais. A história isolada é bacana mas o que recheou e deu aquela sensação de “putz, quero muito mais!” foi a linguagem da Audrey – as gírias, os palavrões, as comparações, a ironia…-, os momentos dramáticos da personagem e as falas de Victoria, também! Duas personagens hilárias e, juntas, não tem quem segure! A gente ri, marca frases, pensa um pouco no contexto, tenta filosofar e, depois da leitura, queremos fazer nosso próprio CD compilado com as músicas que nos contagia! Até o sr. Henry (pai de Aud) me fez rir muito – aquele tipo de personagem que você pensa “ah, eu queria um pai assim”. #confessei.

Ao contrário de muitos personagens masculinos de livros do gênero, nem James e nem Evan me conquistaram. Talvez por James não fazer o meu tipo, em todos os sentidos. Ok, ele é fofo, gosta de música, parece ser inteligente – apesar de, no começo, parecer um geek (no péssimo sentido da palavra) – e entender aquele lance de fama da Aud, não rolou pra mim. Respeitei o namorico, a paixonite… mas para mim, era apenas James, o garoto que trabalha na Scooper Dooper. Evan, o ex-namorado escroto que ferrou a vida de Aud não teve tempo de me conquistar, coitado. Apareceu rapidinho no primeiro capítulo e só foi ressurgir nos últimos. Aí não rola, né? As conclusões que pude tirar do personagem foram através das confissões de Aud – o que não sei se posso realmente confiar, vai saber…

Narrativa em primeira pessoa, (tá aí uma característica que tem tudo a ver e deveria ser quase uma via de regra para livros desse gênero. Percebi que, quando o livro vem em terceira pessoa, eu travo.), baseado no cotidiano de adolescentes e cenários para adolescentes, o livro tem tudo para conquistar essa faixa etária e um pouco mais além (tipo, uma garota de 25 anos). Sabe aquele livro que fazer a resenha se torna prazeroso e você não tem nenhuma dificuldade em falar sobre ele? Então, só de escrever para vocês, já fico com sorrisos no rosto! Com certeza, Robin Benway me conquistou com sua técnica de “falar a nossa língua”. Quero mais, posso? *-*

“- Às vezes você vai ter que tomar decisões das quais nem todo mundo vai gostar. Mas se acha que é a coisa certa a fazer, você tem que fazer. Mesmo que seu namorado não goste. Mesmo que Victoria não goste. Diabos, mesmo que papai e eu não gostemos. Tem que começar a confiar em si mesma.”

Livro super recomendado para distrair a cabeça, rir muito, descobrir novas músicas/bandas e se jogar na liberdade de ser o simples ser humano que você é, com as próprias escolhas e caminhos, sem ninguém enfiando o dedão cheio de meleca de nariz na sua vida! Com o direito de ir e vir sem um flash te cegando o todo o tempo! Aproveite esses momentos! ;)

Robin Benway

Como Audrey, Robin Benway ouve música alta demais, tem uma melhor amiga sensacional e já foi a mais shows do que qualquer ser humano deveria ir. Diferente de Audrey e Anna Julia, ela nunca namorou nenhum astro de rock ou teve uma música escrita sobre si. Atualmente vive na Califórnia.


Site da autora | Site da Galera


• Hey! Deixe um comentário aqui •

• Temos 56 comentários nesta postagem" •

, disse: - 15-01-2013 (13:24)

Oi Jeh, tudo bem? Adoro essa capa, acho ela tão contagiante, e a sua resenha me contagiou mais ainda, fazendo com que eu queira muito ler esse livro. Parece mesmo ser viciante. Parabéns pelo ótimo post. Bjs, Fê – Segredos em Livros.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Fê!
Aah esse livro é muito bacana, contagia mesmo! Impossível não curtir a Audrey durante a leitura… e a sua amiga Victoria é demais!!

Espero que se delicie com a história!
Beijos!




Raphaela, disse: - 15-01-2013 (13:29)

JEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEH!!

EU JÁ LI O LIVRO, EU JÁ LI, EU JÁ LI!!

Sabe o que eu MAIS, MAIS, MAIS, MAIS GOSTEI!? Essa mistura de literatura + musica! Cara, eu sou apaixonada por essa capa, quando encontrei o livro por 9,90 na LEITURA eu quase tive um treco! Eu ria tanto, me identifiquei tanto com a Audrey quando ela começava a falar sobre MÚSICA,, tipo: VEEEEEEEEEEI, EU TAMBÉM ME SINTO ASSIM! NÃO ESTOU SOZINHA NO MUNDO! #fuckyeah

‘Tem que aumentar o volume até o peito tremer e a bateria entrar por entre as costelas como a batida do coração e o baixo subir pela coluna e entortar o cerébro, e tudo o que você pode fazer é dançar ou girar em círculos ou gritar junto porque sabe que, não importa o que a música faça você sentir, é perfeito.’

E eu achei o máximo a declaração da Anna Júlia na orelha do livro. Apesar de ter gostado dos diálogos, me divertido a beça e etc, foi um livro que não me surpreendeu no quesito enredo. Eu esperava algo a mais, sabe? Mas mostra vários outros lados, como a imaturidade para lidar com algumas situações e como caimos sem nem saber em outras situações!

Beijos,

Raphaela
@EqualizeLeitura
http://equalizedaleitura.blogspot.com.br/

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Huahuahauha, rindo demais com seu comentário em caps lock!!
Eu adorei a mistura também, e melhor ainda porque a Robin conseguiu trazer essa mistura de forma super divertida, sem ser idiota ou muito infantil! Adorei!
Cara, eu adorei a Victoria, os comentários da Audrey, enfim, os personagens valeram a pena! Devorei esse livro, muito bom mesmo!

Confesso que não sou do tipo de ouvir música no volume máximo até o peito tremer (a não ser que eu esteja usando fones de ouvido, aí sim fica no volume máximo).

Legal mesmo a declaração da Ana Júlia, quem diria que isso poderia acontecer na vida real, né?

Beijos!




Camile Cruz, disse: - 15-01-2013 (14:25)

Simplesmente o que?! Esse livro parece aqueles do tipo VEM PRA MIM AGORA ou POR QUE VOCÊ AINDA NÃO ESTÁ NA MINHA LISTA DE SUPER DESEJADOS?!?! Amei a resenha! Amei a capa (super contagiante) e amei a forma como tu conseguiu descrever a Audrey! SUPER AMEI.

Camile –
Perdida entre Livros
http://www.perdidaentrelivros.com/

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Exatamente isso Camile! Como esse livro ainda não está na sua lista de desejados, como?!!?!? Hehehe, mas enfim, eu demorei um tempo pra lê-lo e acho que veio na hora certa! Uma leitura leve, muito divertida, a narrativa flui de forma maravilhosa. Estou surpresa com a criatividade da Robin em desenvolver os personagens tão bem!

*-*

Beijos!




Jaira Costa, disse: - 15-01-2013 (15:08)

Oi, Jeh

se o livro é divertido e distrair a cabeça já vou ler ….porque to precisando exatamente disso na minha vida oh…eu gostei da capa….na verdade tenho ele aqui (mas em inglês e em e book) depois da sua resenha já deixei ele na lista das próximas leituras, ando de ressaca literária….quem sabe ele me salva…

e somos duas que trava quando o livro é em terceira pessoa o.O não gosto muito….

vai entender né rsrs..

adorei a resenha flor…

e adoro as suas fotos junto da resenha, deixa diferente, tu ama foto mesmo e gosto muito das suas ^^

bjiss

Jaira

Livros e Versos

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Jaira!!
Ah então leia, porque você vai se sentir mais leve! A gente nem precisa ter o caderninho de resenhas do lado, o que mais queremos é devorar o livro e rir muito com a Audrey e Victoria!
*-*
Eu não curto chick lit em terceira pessoa, parece que fica superficial demais… :x

Beijos linda!




Débora Lauton, disse: - 15-01-2013 (16:26)

Engraçado, eu prefiro livros em terceira pessoa… gosto mais quando tenho uma visão geral da história, principalmente quando tem adolescentes que ficam cheios de mimimi…rss

beijos,

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Sério flor? Mesmo nos chick lits??
Eu gosto de livros em terceira pessoa mas depende do gênero.
Chick lits e YA’s funcionam melhor na primeira pessoa, pelo menos pra mim!
Até distopias, tem que ser em primeira pessoa pra eu me sentir como o(a) personagem!

Beijos!




Amanda Faustino, disse: - 15-01-2013 (18:48)

Esse livro parece ser muito legal. Há muito tempo quero ler… E adoro essa capa, super lindinha.

Beijos,
Mandi – Book and Cupcake.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Uma delícia de leitura Amanda, flui que é uma beleza!!
\o
Vale a pena ler!
;*




Quequel, disse: - 15-01-2013 (19:02)

Oie Amiga !!
Nossa q resenha mais divertida de ler, adorei !
Eu amo música tb.. a minha playlist no momento tem quase 1000 músicas, eu amo. Escuto as antigas, atuais, nacionais, internacionais, de tudo um pouco!

Bjinssss

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Quel!
Que bom que gostou da resenha! xD
Me surpreendi com o livro, sério! Achei que seria meio bobo, coisa de adolescente, mas a linguagem da Audrey, as falas da Victoria me mataram de rir, vale a pena!

Tentarei trazer de volta a coluna Playlist no blog só pra aumentar a sua tá? Hehehe!

Beijos!




Thaís, disse: - 16-01-2013 (10:49)

Jeh, amei muito a resenha! Não imaginava que esse livro fosse tudo isso. Ando precisando de um YA bem YA mesmo! hahahaha

Fiquei tão empolgada de ler sua resenha, com certeza o livro te contagiou! E a forma que você expressou esse sentimento, me contagiou também. :*

Um beijão,
Pronome Interrogativo.
http://www.pronomeinterrogativo.com

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Thaís!!
Iupi, fico hiper feliz em saber que a resenha te conquistou!! Eu também não achava que o livro seria tudo isso, pensei que seria meio bobo, infantil sabe? Até meio clichê, mas a Robin desenvolveu personagens super legais, cara, eu curti muito o jeito da Audrey e da Victoria!
Espero que goste da leitura também!!
Beijos!
;*




Lindsay Leão, disse: - 16-01-2013 (11:53)

Oi Jeh,
Ótima resenha! Esse livro parece mesmo ser muito divertido!
Musicaholic? kkkk Gostei!
Audrey parece ser uma personagem cativante!
E a capa? Linda e super original, adorei!
Beijos

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Obrigada Lind!!
Eu me surpreendi de forma super divertida, adorei mesmo!
Hahahaha, será que existe musicaholic? Hehehe!

Beijos!




Sofia, disse: - 16-01-2013 (18:00)

Li pouquíssimos comentários a respeito do livro e parece-me bom, mas só. Gosto muito mais de livros em 1º pessoa, parece que todos os sentimentos, pensamentos são mais expostos, rsrs

Beijos

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Verdade Sofia, com a narrativa em primeira pessoa, conseguimos sentir exatamente o que o personagem sente. Mas em alguns gêneros, a narrativa em terceira pessoa cai melhor e assim conseguimos ter uma visão geral da situação e não apenas do personagem.

Mas nesse caso, ficou maravilhoso!
Beijos!




Vanessa, disse: - 17-01-2013 (02:26)

Parabéns pela resenha Jeh! Já li A Música que Mudou Minha Vida e curti bastante. Beijo!

http://www.newsnessa.com

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Vane!

Aah que bom que gostou da resenha, obrigada!!

Beijos!




Camila Leite, disse: - 17-01-2013 (10:17)

A capa desse livro é linda e eu adoro livros que contenham música, assim sempre atualizo minha playlist.
Beijos

Camila Leite
@sonhospontinhos
http://sonhosentrepontinho.com

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Uma graça mesmo Mila!!
Eu adorei esse livro, e no comecinho de cada capítulo a escritora compartilha o trecho de uma música – e as bandas são incríveis, conheço a maioria e adoro!

Beijos!




Kácia Ribeiro, disse: - 17-01-2013 (17:07)

Se você ficou fascinada pelo livro, eu fiquei pela resenha. A vida da gente anda tão corrida, tantas responsabilidades, decisões difíceis de tomar, a tal da vida adulta é um saco, às vezes, a válvula de escape é uma leitura leve e divertida para a mente descansar de pensar em problemas quotidianos, e pensar, o quanto se tem saudade da época de colégio, aonde sua maior preocupação era se divertir, ouvir música e paquerar.

Adorei a resenha amora, viajei um pouco no tempo, quando eu ficava cantando no banheiro, achando que era estrela do rock, que um dia eu encontraria um Eduardo (música Eduardo e Mônica – Legião Urbana), casaria e seria feliz.

As fotos ficaram lindas também, bem estilosas, nossa… Silverchair, melhor álbum deles… ?

Beijão, Te amo ;*

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

*-*
Ówwwn, como é bom receber sua visita e seu comentário!! Obrigada Amora!!
Eu imagino que a correria tenha atrapalhado sua vida de lazer mas logo isso acaba. Por enquanto tem a correria, as responsabilidades e decisões a tomar.
Acho que esse é um ótimo livro pra distrair sua cabeça, fazer você rir um pouco e, só por um minuto, esquecer dos problemas.

Hahahahah, “eu ficava cantando no banheiro, achando que era estrela do rock, que um dia eu encontraria um Eduardo (música Eduardo e Mônica – Legião Urbana), casaria e seria feliz.”, ri demais!

Eu amo Silverchair! <3




Poly, disse: - 18-01-2013 (00:00)

A primeira coisa que eu gostei nesse livro foi a capa, só por ela já fiquei morrendo de vontade de ler.
Sua resenha foi ótima também e fiquei com um gostinho de “quero saber mais da história” *_*
Vou adicioná-lo já na wishlist *_*
Bjuxxxx

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

*-*
Achei a capa fofa também mas o que me fez comprá-lo foi a sinopse e alguns comentários de outros blogueiros, parecia bem legal. Mas não imaginava que iria gostar TANTO do livro!

Obrigada pelo comentário Poly!
;*




Amanda Almeida, disse: - 18-01-2013 (09:30)

Oi Jeh, tudo bem flor?
Eu amei a resenha desse livro!!!(Confesso que as vezes sou uma adolescente de espirito (mesmo tendo 23 anos nos coros). Fiquei curiosa pra conhecer todos esse personagens e saber a decisão que a Aud tomou. Parece ser o livro perfeito pra soutar algumas gargalhadas e acho que precisamos de livros assim as vezes.
Bjus,
Amanda Almeida
http://vceoqueler.blogspot.com.br/

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Amanda, tudo bem e você??
*-*
Aaai que linda, que bom que gostou da resenha! Ih menina, eu tenho 25 anos e AMO livros com adolescentes! Às vezes relembro a minha fase, outras vezes crio uma outra adolescência pra mim, e bate a saudade… hehehe, mas é muito gostoso!
Eu adorei as características da Aud, ela me fez rir muito! Passei um tempo super agradável com ela!

Beijos!




Stefani Goulart, disse: - 18-01-2013 (14:17)

O livro parece ser bem legal Jeh :D
A capa é super linda e parece ser daquelas histórias bem levinhas e ótimas para se ler no verão *o*
Beeijos!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

*-*
Aah é verdade Stefani, o livro é surpreendente e a gente se diverte com as situações!!
=D
Beijos!




Martha, disse: - 18-01-2013 (19:08)

Je, adorei sua resenha! Faz parecer que o livro é mesmo uma ótima opção e já está na minha lista!!:)

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Marthinha!!
Como é bom receber sua visita aqui, obrigada!!!
<3
Que bom que gostou da resenha! Espero que tenha um ótimo momento com o livro!

Beijos!




Babi Lorentz, disse: - 18-01-2013 (22:56)

Você falou com tanto entusiasmo sobre o livro que acho que consegui entender o que você tentou passar. Acho não, tenho certeza. Fiquei envolvida pela mega resenha e acho que agora estou com ainda mais vontade de ler esse livro.
Antes, ele chamava minha atenção apenas pela capa, agora ele me conquistou pela história. Espero manter essa mesma impressão do livro quando o ler.
Beijos.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

=D
Obrigada pelo comentário Babi!
Eu me surpreendi com o livro, sério. No começo imaginei que seriam personagens bobos, sem graça e fiquei curiosa em como a Robin desenvolveria essa história!
Adorei! A história flui justamente pelas falas da Audrey, pelos pensamentos dela também. Ficou super natural, a personagem é bem engraçada e consegui me afeiçoar à ela!

Espero que você goste também!
*-*
Beijos!




Carissa, disse: - 19-01-2013 (03:23)

Fiquei querendo ler.
Adoro música e o fato do livro ter uma relação estreita com a música me agradou bastante.

Beijos!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Iupi!! Que bom que te deixei com essa vontade!! *-*
Espero que tenha a chance de lê-lo e se divertir muito com Aud!
Beijos!




Fernanda Rocha, disse: - 19-01-2013 (12:53)

Parece um livro bem adolescente, bem leve. Não sei porque não me chamou muita atenção (acho que to ficando velha demais, haahhaha), mas o fato é: para momentos próximos a ressacas literárias, parece ser perfeito.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Fer!
É um livro bem bacana, não se torno bobo porque a Aud é bem engraçada, e a Victoria tem um humor muito inteligente, super bacana!

Ahh, acho que não tem esse negócio de ficar velha demais para chick lits, infanto juvenis, YA’s, tudo que tem nos acrescenta coisas boas vale a pena, né?

Espero que goste! ;*




Sandra, disse: - 19-01-2013 (13:35)

Hey,Jeh!

Primeira visita de 2013! \o/
Eis-me aqui, me reanimando pra começar mais um ano de vida blogueira.
Sabe que eu já vi muita gente falando sobre esse livro, mas nunca dei bola? Mas agora, depois de ler sua resenha, eu mudei de ideia. Vc me fez sentir o livro e querer fazer parte da história. Agora quero ler!
Vou procurar pra adicionar à infinita lista.

Beijo grande, querida!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Sandra!!

Iupi!!! Primeira visita do ano, muito obrigada!! Espero ter mais delas aqui!! \o

Menina, eu comprei esse livro numa promoção e porque tinha visto na estante de outras blogueiras, mas não achei que seria tão bom! Eu adorei! A Robin é fantástica, quero outros livros dela!!

Beijos!




Ane Reis, disse: - 20-01-2013 (11:02)

Oie Jeh!

Eu teria uma dificuldade enorme de escolher só uma música que mudou a minha vida rs… afinal sou uma playlist ambulante.

A história parece ser muito divertida mesmo, e a capa com essa explosão de cores é um atrativo a mais.

Adorei a resenha *-*

bjus e uma ótima semana para vocês!
;***

anereis.
mydearlibrary | bookreviews • music • culture
@mydearlibrary

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Ane!!

Eu também teria dificuldade em escolher só uma. Mas no caso da Audrey, uma música baseada no término do relacionamento com o Evan, não tem como ficar em dúdiva né? Hehehehe!

Beijos! ;*




Jayane, disse: - 20-01-2013 (13:18)

Esse livro ta na minha lista a tempo,eu só não comprei porque esqueço e por causa ta pilha de livro que já tenho.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Aaah sério Jay??
Poxa, se tiver a oportunidade de comprar na próxima vez, faça isso! É muito bom e divertido!
=D

Beijos!




Kel Costa, disse: - 20-01-2013 (14:12)

Jeh, que resenha enoooorme, adoro! rsrs É tão comum hoje em dia vermos resenhas de 2 ou 3 parágrafos, que quando me deparo com um texto desse até me animo rs.
Adorei as fotos que vc colocou ao longo do post, deram um charme a mais *-*

Agora sobre o livro… Eu tenho muita vontade de ler, já está na minha lista de desejados há séculos, mas kd o dinheiro? rs
Imagina isso na vida real! rs Acho até que já rolou algo mais ou menos parecido, se não me engano, com aquela música Ana Julia. Eu lembro que na época rolou um boato de que ele tinha feito pra tal da Ana mesmo e tal, enfim…
Eu já gosto da Audrey e tenho dó por tudo que ela deve passar no livro. Essa exposição não deve ser fácil.

Bjs,
Kel
http://www.itcultura.com.br

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Kel!!
Ufa, que bom que a resenha enorme não te desanimou, fico com medo de causar isso sabia??
Huhuhuh, que bom que gostou das fotos, adoro fotografia e é uma forma de eu treinar um pouco mais…rs!

Aaah Kel, eu comprei porque encontrei numa promoção boa nesses sites por aí, hehehe. Ele ficou quase um ano na minha estante e só agora dei essa chance. Não me arrependo, é um desses livros que a gente lê e relê sem preguiça sabe?

Eu fiquei pensando, já pensou se alguém escrevesse um livro sobre você? Tipo, meio parecido com “Eu amei Victoria Blue” mas colocando seu nome, sua vida, expondo tudo? #eitapega….

Beijos!




Thais (Viaje na Leitura), disse: - 20-01-2013 (20:53)

Olá Jeh!

Esse livro está na minha lista de desejados há um tempão! Só li elogios sobre ele, quero ler o quanto antes!!

Amei a resenha com as fotos extras =)

Bjks

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Aaah sério Thais?? Poxa, se tiver a oportunidade de comprá-lo, faça isso porque é muito bom mesmo!
Adorei sua visita aqui viu! Imagino que para o Viaje na leitura seja corrido, mas obrigada pela visita! Seja sempre bem vinda!

Beijos!




Jun, disse: - 21-01-2013 (02:22)

Oi Jeh! <3 Ai fiquei louca pra ler o livro! *______* Faz tempo que não leio livros assim com uma pegada mais adolescente do que um YA, dá até saudades haha. Acho que a adolescência nos fascina pra sempre, mesmo depois que passamos dela né :)

E vi que você está lendo O Resgate do Tigre! Quero saber o que achou depois! Esse livro me fez mudar totalmente de opinião, tenso viu… Hoje sou Team Kishan convicta haha! Não sei se você vai ficar com raiva do Ren no final do livro (ok que ele não tem culpa pelo que acontece), mas eu fiquei, urgh! x__x Estou louca pra ler A Viagem do Tigre, a Arqueiro já me mandou o kit mas preciso terminar Diário de Uma Paixão primeiro :}

Bisous!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Jun!!!
Mulher você sumiu!!! Ou eu que estou ficando louca?? Acho que é a primeira opção mesmo hehehe!
Tá tudo bem por aí?? Espero que sim!!!

Nossa, eu adoro livros com adolescentes, sério! E a Robin desenvolveu a história de forma muito gostosa, sem cansar sabe? A narrativa da Aud é muito legal e Victoria tem umas pegadas inteligentes nas conversas!

Sobre “O resgate do tigre”, ainda não terminei mas com certeza esse livro foi a pegada da Colleen pra colocar a gente na parede e escolher Team Ren ou Team Kishan, cara! E dá pra associar com a saga Crepúsculo. No primeiro livro, era Edward que tinha mais foco (no caso desta série, o Ren). Em Lua Nova, conhecemos muito melhor Jacob (e no “O resgate do Tigre”, parece que Kishan terá todo o foco né?). Achei isso meio estranho, mas espero gostar do livro!
No começo do livro achei meio tosco, parado mas quando Ren aparece no Natal, a história dá uma guinada!
Queria ter recebido o kit também, mas não deu… =(

Beijos!




Wendell Carvalho, disse: - 21-01-2013 (13:20)

OMG! Simplesmente AMEI essa história! Vai para a minha lista de desejados AGORA!
Sei bem como uma música pode mudar a sua vida, não igual mudou a da Audrey claro, mas todo mundo deve ter aquela música em especial que naquele momento mudou todos os seus pensamentos, vontades e sonhos, eu pelo menos tenho.
Espero poder ler esse livro em breve! Mas fiz uma promessa de que não compraria mais livros até dar uma diminuída na pilha de não lidos que eu tenho aqui.
Quem sabe eu não dou sorte e ganho de alguém ou sei la?

Beijos Jeh!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Iupi!!! Que bom que gostou Wendell! Me surpreendi com a história e a linguagem utilizada pela Robin, vale super a pena!

Eu não sei qual música mudou a minha vida, acredita? Eu tenho música de fases, sabe? Música que marca alguma mudança, situação mas nenhuma específica para minha vida toda, hehehe!

Se entrar numa promoção, vale a pena comprar sim viu, quebra sua promessa pelo menos pra esse livro! ;)

Beijos!




Nandinha, disse: - 24-01-2013 (13:42)

Oi Jéssica, adorei a resenha! Fico impressionada com a quantidade de livros que você lê menina! Um dia eu chego lá.. enquanto isso, vou selecionando alguns aqui entre as suas resenhas que sou fã! Beijos.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Oi Nanda, tudo bem??

Obrigada pelo comentário e pela visita, seja sempre bem vinda! \o
Que nada menina, leio pouquíssimo comparado a outros leitores, heheh. Fico super feliz que goste do blog viu!
*-*
Um super beijo! ;*




@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo