categoria2 category image

A Culpa É Das Estrelas :: John Green

11 . setembro . 2012

Tenho certeza que você já leu pelo menos uma resenha sobre este livro. Também tenho certeza de que a resenha foi positiva, não é? Pois bem, aqui não será diferente. A Culpa É Das Estrelas é um dos livros mais impressionantes que li este ano, mas não tornou-se meu favorito.
Provavelmente você está cansado(a) de ler resenhas sobre A Culpa É Das Estrelas mas desde já sou grata pela sua atenção! ;)

A Culpa É Das Estrelas (The Fault In Our Stars)
Autor: John Green
Páginas: 288
Editora: Intrínseca

* Livro enviado pela editora como cortesia.
Sinopse:

Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

Crédito: Skoob

“(…) mas é da natureza das estrelas se cruzar, e nunca Shakespeare esteve tão equivocado como quando fez Cássio declarar: ‘A culpa, meu caro Bruto, não é de nossas estrelas/ Mas de nós mesmos.’ Fácil falar quando se é um nobre romano (ou Shakespeare!), mas não há qualquer escassez de culpa em meio às nossas estrelas.”

A vontade que eu tenho é de gritar e me descabelar na sua frente e dizer POR FAVOR, LEIA ESTE LIVRO! Mas não dá, preciso explicar a euforia toda com uma história sobre pessoas com câncer em estado terminal.

Hazel Grace Lancaster (e já abro um parêntese porque me lembrei da banda Sister Hazel o tempo todo) é uma garota de 16 anos que tem cancêr – primeiro por causa da tireóide, depois a tal metástase nos pulmões – que mora em Indianápolis (com um clima que deixa qualquer um deprimido). E logo de cara a garota se encontra em um Grupo de Apoio na Igreja Episcopal. Esse grupo tem como objetivo, como o próprio nome diz, dar apoio. Apoio àqueles que lutaram ou lutam contra algum tipo de câncer. Apesar de ser um grupo bacana, Hazel é meio cética em relação ao blá blá blá que o Patrick conduz. Mas é nesse Grupo de Apoio que Hazel conhece Isaac – um personagem super divertido e esbaforido com câncer ocular e que se mantém na história por várias páginas – e seu amigo, Augustus Waters.
Como posso explicar sobre Augustus Waters? Para mim, Augustus é um típico adolescente nerd que é exceção à regra. Um geek fofo, romântico e bem mais crédulo que a Hazel – isso se tornou um ponto positivo para mim. Um adolescente que gosta de videogame com jogos violentos e sanguinários mas que derrete o coração de uma leitora sensível. Ok, mas não é sobre a minha quedinha por Augustus que vim resenhar, mas sobre o relacionamento entre os personagens e a história belamente desenvolvida por John Green.

Narrado em primeira pessoa, sob a perspectiva e percepção da Hazel, somos cercados por diversos sentimentos durante as páginas, desde os mais nostálgicos até os mais esperançosos. Augustus Waters é um adolescente de 18 anos com osteossarcoma. Se o nome já transmite a sensação de ser coisa séria, quando eu disser que Augustus já usa uma prótese em uma das pernas, fica mais sério ainda né? A verdade é que os personagens encontram-se em estado terminal da doença. E é a partir do relacionamento entre pessoas com a mesma batalha que vamos mergulhar neste mundo transbordando sentimentalismo.

“Você está familiarizada com a imagem da vítima de câncer estoica e determinada que luta heroicamente contra a doença com uma força sobre-humana e nunca reclama nem para de sorrir, nem mesmo em seus últimos instantes de vida, etcetera?”

Hazel é uma personagem moderna, não tem formalidades na sua escrita e/ou fala. Também é irônica de um jeito negativo e descrente sobre muitas coisas – o que nos pega de surpresa porque sempre pensamos que vítimas de câncer são fortes o tempo inteiro. Hazel é apaixonada pelo livro Uma aflição imperial escrito por Peter Van Houten e é a partir deste livro, este pequeno detalhe, que “A Culpa É Das Estrelas” vai se estender!
Conversa vai, conversa vem, Augustus indica um livro diferente para a garota: O preço do alvorecer, uma série sangrenta, cheio de mortes com o personagem heróico Max Mayhem. É uma série totalmente diferente do seu querido livro “Uma aflição imperial” mas Hazel adquire um gosto bem avantajado por ele!
E o mesmo acontece com Gus: o garoto se sente atraído de forma singular por “Uma aflição imperial”. E agora ambos têm a oportunidade de ir até o encontro do escritor Peter Van Houten para saciar aquele gostinho de quero mais. Que leitor nunca sentiu esse desejo inexplicável de correr até o escritor e perguntar: “hey, o que acontece com a personagem? O que ela decidiu fazer? O que aconteceu com o gato dela?” etc.. Hazel tem tantas perguntas para fazer para o seu escritor favorito que a gente se envolve bastante com seus planos e devaneios. O problema é que Peter mora em Amsterdã e pode não ser exatamente a figura linda-e-fofa que todos nós pintamos de um escritor.

O que me deixou super eufórica e empolgada foi justamente o jogo que John Green atirou sobre o leitor. Do mesmo jeito que Hazel tem diversas perguntas sobre os personagens do seu livro favorito, a vontade que eu tive após terminar a última página era sair correndo da minha casa e ir diretamente até o John. Me diz, pelo amor de Deus, o que acontece com a Hazel?” “E o Isaac, ele consegue seus olhos robóticos?” “Peter escreve uma carta para Hazel? “A mãe da Hazel consegue terminar seus estudos?. Esse jogo “comparativo” foi bem legal!
Outro aspecto que me encantou foi as condições que Augustus se expressava para Hazel, de forma tão graciosa e inocente. Muito bonito mesmo. Talvez por ser difícil ver inocência nos adolescentes, talvez pelas condições de saúde dos personagens ou porque eu simplesmente sou boba, só posso dizer que me encantei com Augustus Waters – e sei que não foi só eu!

“O que mais? Ela é tão linda! Não me canso de olhar para ela. Não me preocupo se ela é mais inteligente que eu: sei que é. É engraçada sem nunca ser má. Eu a amo. Sou muito sortudo por amá-la, Van Houten. Não dá para escolher se você vai ou não vai se ferir neste mundo, meu velho, mas é possível escolher quem vai feri-lo. Eu aceito as minhas escolhas. Espero que a Hazel aceite as dela.”

Hazel também tem seus momentos românticos, fiquem tranquilos. Mas até ela se abrir totalmente leva um pouco mais de tempo. Mas quando resolve se declarar, vem com força total que chegou a arrancar – literalmente – lágrimas dos meus olhos.

“- Não posso falar da nossa história de amor, então vou falar de matemática. Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de número entre o 0 e 1. Tem o 0,1 e o 0,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros. Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e 2, ou entre o 0 e 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros. Um escritor de quem costumávamos gostar nos ensinou isso. Há dias muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Queria mais números do que provavelmente vou ter, e, por Deus, queria mais números para o Augustus Waters do que os que ele teve. Mas, Gus, meu amor, você não imagina o tamanho da minha gratidão pelo nosso pequeno infinito. Eu não o trocaria por nada nesse mundo. Você me deu uma eternidade dentro dos nossos dias numerados, e sou muito grata por isso.”

Outra característica que me encantou com a história do John Green é a capacidade de nos levar e trazer de um sentimento a outro, totalmente diferentes. Uma hora eu estava com o coração apertado, daqui a pouco rindo por uma situação engraçada; depois esperançosa e de repente chorando porque tudo parecia perdido. E a gente não se sente culpada ou com remorso por isso, pelo contrário, é até gostoso. Parece até masoquismo partir de tantos sentimentos para outros de uma hora para outra, mas é muito bom.
Como uma história simples, sem floreios ou sem invenções “cabreiras” consegue sugar tantas expressões e sentimentos de um leitor? Caramba, quando isso acontece é necessário que se permita ficar nessas condições por um longo tempo. Justamente por isso demorei para compartilhar minha opinião. Fiquei remoendo a história e todos os acontecimentos que minha memória a longo prazo permite guardar e a sensação continuou muito boa.

“- Então, depois, quando eu estava sendo estripado pela quimioterapia, por algum motivo resolvi ficar esperançoso de verdade. Não quanto à sobrevivência, especificamente, mas eu me senti como a Anna se sente no livro, aquela sensação de empolgação e gratidão por simplesmente ser capaz de se maravilhar com tudo.”

Existe, sim, a possibilidade de você não gostar desse livro. Mas antes de qualquer decisão, permita-se ler A Culpa É Das Estrelas. Com ou sem qualquer expectativa, simplesmente abra seu coração literário para esta história e se você não gostar, então pode culpar as estrelas! ;)
Um beijo com carinho e até o próximo post!

John Green

Com mais de 1 milhão de seguidores no Twitter, é autor best-seller do The New York Times, premiado com a Printz Medal e o Printz Honor da American Library Association e com o Edgar Award, além de ter sido duas vezes finalista do premio literário do LA Times. Com o irmao, Hank, mantém o canal do YouTube “Vlogbrothers”, um dos projetos de vídeo on-line mais populares do mundo. Mora com a mulher e o filho em Indianápolis, Indiana.


Site do autor | Site John Green Oficial Brasil


• Hey! Deixe um comentário aqui •

• Temos 46 comentários nesta postagem" •

Vanessa, disse: - 12-09-2012 (01:09)

Parabéns pela resenha Jeh! Estou ansiosa para ler A Culpa é das Estrelas! Beijos!

http://www.newsnessa.com


Martha, disse: - 12-09-2012 (05:36)

Je, apesar do livro ter sido elogiado por muitas pessoas, acabei não interessando muito por ele justamente por tratar-se de doenças e sofrimento. Não sei pq, mas ultimamente tenho evitado um pouco esse gênero. De qualquer forma, pela sua empolgação, ele ficará reservado para uma leitura futura! bjs!


Fábrica dos Convites, disse: - 12-09-2012 (06:00)

Não vejo a hora de chegar minha vez no book tour e ler este livro.
Bjs, Rose.


Blanc, disse: - 12-09-2012 (08:46)

Oii!
Tenho um pé atrás com esse tipo de livro, acredito que primeiro terei que saber o final para ver se vou ler ou não!;x

Gostei muiiito da resenha!
:D

beijocas
Selene Blanchard
Bacio,Moda & eu


Sandro Honorato, disse: - 12-09-2012 (08:57)

Jeh :)
Como vai?
Eu li muitas resenhas positivas deste livro,preciso ler pra tirar minhas próprias conclusões mas vejo que amou né? kkkkk

Beijos e cuide-se querida


Mari Mendes, disse: - 12-09-2012 (09:56)

Ouvi falar bastante desse livro, fiquei com muita vontade de ler!


Camila Leite, disse: - 12-09-2012 (10:26)

HAHAHAHAHA Todas estão implorando, para que todos leiam este livro. Rs Acredite, você não é a única que deseja gritar!
E eu com certeza não sou a única que estou mortinha de vontade de ler!
Seria tão, mas tão legal se de repente eu ganhasse esse livro em alguma promoção! \o/ rs Ou de algum amigo legal! :)
Muito boa a resenha Jeeh!
Camila Leite

@sonhospontinhos
http://sonhosentrepontinhos.com


Isabel Maia, disse: - 12-09-2012 (10:32)

OI!!!

Uma das muitas blogueiras que eu vou seguindo disse maravilhas desse livro. Segundo ela, chorou litros durante o livro inteiro. Mesmo assim, não é livro que me convença. O tema do cancer é muito sensível para mim e acho que não me sentiria bem lendo.

Beijo gigante :*


Juliana Ferreira, disse: - 12-09-2012 (15:21)

Eu sempre comento na resenha deste livro quando alguma amiga blogueira faz. Nem sei o que dizer do livro, acredito que seja o mais intelectual da minha estante e eu amei, se pudesse dar 100 estrelas daria. O John tem uma forma de escrever romance que me encantou, foi simples e sem coisas apelativas como tenho lido muito. A simplicidade dele que mais me encantou, mas a complexidade também me encantou. E ele é o típico autor que queremos ler tudo o que escreve.
Bela resenha!!! Adorei os quotes!

@Juliana_Barnes
http://escritasobreatela.blogspot.com.br


Jaira Costa, disse: - 12-09-2012 (15:52)

Oi, Jeh

Menina eu não costumo ler resenhas de livros que quero muito ler…e esse é um deles..mas a sua decidi ler…e só fiquei com mais vontade ainda dele….tudo mundo fala tão bem……sei que vou chorar…pq sou chorona….choro até vendo comercial de tv rsrs…(sim sou doida)

mas adorei a resenha…..e a vaquinha é a coisa mas fofa que tem…adoro….vaquinhas….tenho várias…

bjiss flor

Jaira

Livros e Versos


Thaiane Nobre, disse: - 12-09-2012 (17:18)

Todos falam tão bem dele, até agora só vi resenhas positivas… acho que isso é bom, né? rs
O romance entre Hazel e Gus me lembrou muito o de Kate e Taylor, do filme Uma prova de amor. Já viu? Se não, assista!
E você, ao fazer a resenha (LINDA), se expressou tão bem que só me deu mais vontade de lê-lo o quanto antes! :)

Beeijos.


Luciana, disse: - 12-09-2012 (17:31)

Oi, Jeh.

Só vejo resenhas positivas sobre esse livro e isso aumenta cada vez minha curiosidade!Mas não consigo ler nada muito triste sou sentimental demais…

Beeeijos

Lu Zuanon
http://www.apaixonadaporromances.com.br/


Carolina Ribeiro, disse: - 12-09-2012 (19:23)

Confesso que e meio a tanta propaganda desse livro fiquei receosa, mas em vista de tantas resenhas positivas a seu respeito, meu receio tornou-se curiosidade e estou louca para ler esse livro :)

http://autoracarolinaribeiro.blogspot.com.br


Lindsay, disse: - 12-09-2012 (20:22)

Oi Jeh,
Também li A Culpa é das Estrelas e é um livro realmente encantador.
Eu não chorei compulsivamente como esperava que fizesse, pelo contrário, até ri muito com o sarcasmo dos personagens em determinadas situações.
Hazel e Augustus conquistaram meu coração definitivamente.
Leitura mais do que recomendada.
Parabéns pela resenha!
Beijos


Quequel, disse: - 13-09-2012 (13:35)

Chorei já na resenha !
Acho que vou precisar de um pouco mais de tempo para ler esse livro, mas quero muito ler.. mas acho q ainda estou muito tocada.. com tudo q aconteceu.. vc sabe né?
Bjinssssss


CheiroLivros, disse: - 13-09-2012 (13:54)

Como amo esse livro! Acho que foi a minha melhor leitura do ano, apesar de ter vários outros livros disputando o prêmiokkk John Green é incrível, fiquei um tempão me perguntado se era mesmo um homem de 35 anos que tinha escrito ou se era um adolescente de 16, isso é surreal haha. Fora o Augustus, né jeh? Deus ele é demaaaais <3 Me apaixonei perdidamente. Não me canso mesmo de ler resenhas sobre A culpa é das estrelas, é um livro que me fez querer que o mundo inteiro lesse *-*

Mi – CheiroLivros.com


Djenifer Dias, disse: - 13-09-2012 (14:57)

Eu tenho mania de fazer uma coisa feia que eu odeio que façam comigo >.<

Mania de entrar em blogs lindos – como o seu – e não comentar. :((

Quantas vezes eu já visitei seu blog e não deixei um mísero comentário :/ sou muito má kkkk

mas, hoje estou aqui! õ//

Sua resenha esta lindamente maravilhosa, eu quero muito ler esse livro e finalmente eu consegui comprá-lo então em breve irei lê-lo (não diga kk)

Então é isso.

Super beijos Jeh ?


Aione Simões, disse: - 13-09-2012 (15:24)

Oi querida!
Pois é, só li resenhas positivas sobre o livro mesmo, ainda que nem em todas, como no seu caso, o livro tenha se tornado um favorito.
Acho que essa montanha russa emocional que a leitura transmite é uma das coisas que mais agrada quem lê.
Enfim, preciso lê-lo pra ontem!!
Beijão!


Ane Reis, disse: - 13-09-2012 (19:56)

Oie Jeh!

Ah!!! Vc não sabe com esse livro me “destruiu”. Acho que estou meio deprimida até agora acredita?

Ele é lindo e concordo com vc que todo mundo tem que ler ele, mas ele é tão triste, tão sofrido ='( que me coração fica apertado só de lembrar.

Linda a sua resenha! Você consegui passar seus sentimentos e a atmosfera do livro através dela.

bjus;***

anereis.
mydearlibrary | bookreviews • music • culture
@mydearlibrary


Camille, disse: - 13-09-2012 (20:27)

Vou dizer: eu não queria ler. Mesmo, de verdade. Fiz meu namorado prometer de pés juntos que não me daria o livro por nada no mundo, nem que eu implorasse. E aí, na bienal de SP, eu comprei. Não queria ler porque, bom, duas pessoas muito próximas a mim morreram de câncer e eu não achei que fosse conseguir ler um livro que falasse exatamente sobre o assuntassem chorar o tempo inteiro. Mas ouvi falar tão, mas tão bem do livro que comprei, ainda não li, estou com muito medo, mas muito curiosa. Muito mesmo haha


Raíssa Lins, disse: - 13-09-2012 (22:45)

Li há pouco tempo ACEDE e só posso concordar em tudo com você! Acho que o ponto alto do livro é a maneira como John Green conseguiu construir uma história simples e que seja tão incrível. Atribuo isso, principalmente, aos personagens que são muito muito bons! Já estou morrendo de saudades de todos eles. Também fiquei com essa vontade de ir ao John perguntar tudo o que aconteceu depois do final de ACEDE.


Amanda Almeida, disse: - 14-09-2012 (15:37)

Oi Jeh, tudo bem?
De fato já li algumas resenhas desse livro, e a cada nova resenha tenho ainda mais necessidade ler esse livro, sério. Já virou necessidade. Parece ser uma história linda, simples mas cheia de significados e mensagens. Espero poder ler em breve e matar logo essa necessidade. Parabéns pela resenha, e pra ser sincera, acho difícil alguém não gostar desse livro.
Abraços,
Amanda Almeida


Carolina Ribeiro, disse: - 14-09-2012 (17:53)

Fiquei receosa com tanta propaganda referente ao livro, mas após ler tantas resenhas positivas e incentivadoras a respeito desse livro, fiquei mtuuu curiosa e louca para ler :)
Parabéns pela resenha!!

http://autoracarolinaribeiro.blogspot.com.br


Nana, disse: - 15-09-2012 (02:39)

Hey Jeh
Aii não!
Preciso desse livro gente *.*
Fico tão ansiosa pela leitura em toda resenha que leio!
Resenha linda *——-*

Nana – Obsession Valley


May, disse: - 15-09-2012 (09:05)

Oi Jeh!Estou com esse livro aqui na estante, só esperando o momento certo para ser lido. Tenho certeza que vou chorar com ele como nunca chorei com muitos livros, e até por isso não quero lê-lo agora, questão de momento, sabe? Mas quero muito tirar um tempo logo pra apreciar a história de Hazel!

Beijinhos,
May :*


Gíh Santos, disse: - 15-09-2012 (14:43)

O que dizer depois desta resenha maravilhosa?
Já tinha visto ótimos comentários em relação ao livro,mas confesso que esta foi a primeira resenha que me dediquei e quis ler literalmente, da primeira letra ao ponto final( ou sera uma carinha – ;* – haha)
Só o fato de tratar sobre câncer já mexeu comigo( a cerca de 1 ano minha mãe lutou contra, e graças a Deus vêm seguindo bem).
Mas acho que o diferencial no enredo é pegar dois jovens e coloca-los em uma luta difícil, que é tratar de doenças.
Pelos quotes me pareceu que a linguagem é quase “poética”, linda.
E só pelo inicio da resenha já quis ler o livro com sua frase: “A vontade que eu tenho é de gritar e me descabelar na sua frente e dizer POR FAVOR, LEIA ESTE LIVRO!” Adorei!
Fique tranquila você já me convenceu. kkkk

Um grande beijo ;)

Ps: Obrigada pela visitinha em Livros Lovers *-*


Glaucia Matos, disse: - 15-09-2012 (14:58)

Comprei esse livro na bienal, mas nem sabia direito sobre o que se tratava. Com tantas resenhas em vários blogs, preferi esperar um pouco, para depois eu ler.

Já estão aberta as inscrições para o booktour do livro Ponto Cego de Felipe Colbert, se quiser participar!? ^^

~Glaucia

http://www.leitorait.com


Felipe Santos, disse: - 16-09-2012 (17:16)

Olá Jeh, tudo ok?

Faz tanto tempo que não passo aqui, que até estava com saudades. De você e do blog é claro. rs’ Ganhei muitos marcadores desse livro na Bienal e sério, o título já tinha me chamado atenção, mas depois dessa sua resenha totalmente eufórica, eu pude sentir a sua necessidade de gritar na nossa cara para lermos o livro. Pude até sentir, para falar a verdade. Agora, mais do que nunca, preciso ler esse livro e ficar a par de todas essas emoções que pareceu sentir quando o tinha em mãos. Sério, preciso e irei lê-lo. Adorei a resenha e tenha uma ótima semana! Deus a abençoe e até a próxima.

Beijos,
Felipe
A Hora do Livro


Thais, disse: - 16-09-2012 (23:31)

Oi Jeh!

Que resenha enormeeee!
Também, como falar pouco desse livro tão lindo?
Concordo com todos os aspectos que citou, mas dei quatro estrelinhas, eu queria um final feliz! A vida já é real demais, com perdas demais, os livros felizes me fazem mais feliz! Enfim, John Green sabe como fazer uma garota se debulhar em lágrimas!

Bjooooooooooo


Chel Lima, disse: - 17-09-2012 (08:24)

Como sempre, sua resenha está ótima, Jess! Eu também dou cinco estrelinhas – apesar de não favoritar o livro – e você falou tudo: é um misto de emoções, Hazel é diferente, Augustus foge a regra… John Green mudando um pouco a nossa visão. Eu também estou agora com estas perguntas na cabeça. (!!!) Teremos que correr atrás do John, agora. Beijos!


Maria Trindade, disse: - 20-09-2012 (20:51)

NOSSA ESSE LIVRO E MINHA VIDA TAMBEM TIVE CANCÊR COM 13 ANOS E SEI BEM COMO E JÁ COMPREI ESE LIVRO NÃO VEJO A HORA DE LER *-* SUA RESENHA FICOU LINDA CHOREI LENDO SÓ A RESENHA IMAGINA LENDO O LIVRO PARABÉNS

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Maria Trindade,

Oi Maria, tudo bem??? Nossa, primeiramente quero te parabenizar por ter vencido essa doença que parece detonar a vida das pessoas. Deus é muito bom, não é?
=D
Com certeza você terá uma leitura apaixonante, e vai se identificar muito mais com os personagens do que eu!
*-*

Tenha uma ótima leitura ;*




Fernanda, disse: - 21-09-2012 (11:11)

Muito legal, o livro trabalha com um assunto muito importante! Sinceramente nunca havia lido um livro com essa temática, mas com certeza temos muito a aprender com esse assunto.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Fernanda,

Oi Fer! Eu já li e vi alguns livros sobre isso mas não do jeito que John Green fortaleceu através dos personagens e acontecimentos, achei bem legal! Vale a pena ler!

Beijos!




Gilciany, disse: - 22-09-2012 (21:35)

Ah querida amiga…engano seu, eu não tinha lido nenhuma resenha desse livro até agora e fico feliz por isso, pois a sua me deu um panorama perfeito da história. Tanto que estou aqui vendo um jeitinho de conseguir ler esse livro muito em breve.
Eu nem fazia ideia do que este livro nos reservava, mas saber do seu conteúdo, personagens, emoções e sentimentos causados pela leitura me deixou bem contente!
Adoro livros que me façam sentir tudo #juntoemisturado, é tão bacana que não tem jeito de não lembrarmos depois, pq consequentemente fica marcado na memória.
Eu vou dar uma chance sim ao livro e embora eu ache que vou gostar muito, culparei as estrelas com certeza, caso me engane com ele. kkk
Um beijo grande flor e ótimo texto!

PS: Amei o novo lay do ML! Tão fofinho, como todos que vc faz né! Parabéns =)

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Gilciany,

Oi Gil! Sério que essa foi a primeira resenha que você leu de ACEDE?? Iupi!!! Eu confesso que vi mais comentários no facebook e algumas resenhas do livro – não queria estragar minhas expectativas em relação a ele – e sou mais uma fã de John Green! O livro é muito bom e tenho certeza que você vai amá-lo!! \o
Virei fã e agora vou à procura de “Quem é você, Alasca?’!

Obrigada pela confiança na resenha!! Depois quero ver sua opinião sobre o livro, se chorou horrores, se ficou com o coração alegre, apertado, nostálgica, etc! ;)

Super beijo!!

P.S: Aahh eu não tenho jeito, troquei de layout de novo, dessa vez usei mapeamento na imagem, vamos ver o quanto eu resisto!

Beijos!




Rebecca Romero, disse: - 23-09-2012 (19:11)

Eu chorei quase a resenha inteira. Eu estou tremendo até agora, porque sei que esse livro vai causar isso em mim. Eu quero muito lê-lo e sei que irei amá-lo. Por eu ter nascido com problemas cardíacos, acho que será bom eu ler um livro vendo jovens lutando para suportar a dor de poder morrer a qualquer momento. Com certeza deve ser um livro muito bonito.

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Rebecca Romero,

Oi Rebecca! É fato que em algum momento você irá chorar no livro, acho que essa intenção proposital do John é maldade, hehehe. A gente fica com o coração na mão em vários momentos, espero que você tenha fôlego para manter firme e forte na leitura!
;)

Beijos!




Daniela Rodrigues, disse: - 01-10-2012 (22:18)

Oi flor! Tenho uma tag para você respoNder. Confira! http://www.youtube.com/watch?v.....e=youtu.be

Espero que goste!
Bjs e Jesus abençoe!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

@Daniela Rodrigues,

Oi Dani, tudo bem?? Obrigada pela tag, vou responder com carinho, provavelmente no próprio vídeo ok??? Um super beijo e bom final de semana!!
=*




B. de Castro, disse: - 11-10-2012 (09:27)

Belíssima resenha. Parabéns =)


Bruna Sturaro, disse: - 16-10-2012 (15:32)

Eu ganhei esse livro em um sorteio, mas até agora não tive tempo de ler! Mas pelas resenhas maravilhosas que ando lendo tenho certeza que vou me emocionar demais ><


Kauana Pletz, disse: - 19-10-2012 (20:13)

Gostei muito da resenha, mas o que mais me deu vontade de ler o livro foram os trechos, da pra ver que é super bem escrito, adorei os trechos, são tão lindos *_*
Apesar da história ser sofredora.


Luana, disse: - 19-02-2013 (07:40)

Muito bom Livro, adorei!
Parabéns pela resenha, adorei.


Daniela Farias, disse: - 15-05-2013 (16:41)

Esse é um dos meus livros favoritos!
Li várias vezes e chorei em todas! hahaha
Agustus Waters é a paixão da minha vida literária!
Lindo blog!
Beijinhos!


Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! » Blog Archive » Quote da Semana #21, disse: - 29-07-2013 (00:27)

[…] frase, né? Esse livro é muito lindo! Se você quiser ler a resenha, é só conferir aqui no blog! E já fica como dica de leitura para essa semana, que tal? ;) Um beijo di […]


@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo