categoria2 category image

Amigas (im)perfeitas :: Leila Rego

22 . janeiro . 2014

Leila Rego se tornou uma das minhas escritoras preferidas desde a leitura de Pobre Não Tem Sorte. Quando a autora surgiu com uma história totalmente diferente, eu precisava me aventurar nessa nova história! É impossível não me sentir atraída pela leve ousadia de cada personagem. Confiram a resenha de “Amigas (im)perfeitas: Juntas no amor, na dor e no rock’n’roll”, a primeira resenha de 2014 no Di Moça!

Amigas (im)perfeitas: Juntas no amor, na dor e no rock’n’roll
Autora: Leila Rego
Ano: 2013
Páginas: 392
Editora: Gutenberg

* Livro enviado pela editora como cortesia.
Sinopse:

Nina, Pâmela e Manuela, amigas desde os tempos de colégio, tem agora uma nova realidade pela frente: largar a adolescência para trás e crescer em meio às angustias dessa nova fase. O término da faculdade e o inicio de uma carreira fazem parte das decisões maduras que a vida está cobrando dessas três amigas inseparáveis. Mas o que elas não imaginavam é que viveriam ainda muitos tropeços e desencontros amorosos, repletos de emoções conturbadas – e boas gargalhadas. Embaladas pelo bom rock ‘n roll da Legião Urbana, as amigas viverão aventuras e descobertas ainda mais surpreendentes que as da adolescência, entre elas, fazer com que Nina, que sempre se apaixona pelo homem errado, encare uma Operação Faxina Interna para tentar superar as feridas de seu coração.

Créditos: Skoob

“Sou uma mulher que ama demais. Me sinto dependente dele e não estou conseguindo me libertar dessa espiral que me suga sempre para baixo.”

Nina tem vinte e oito anos, mora em Campinas e é formada em fisiterapia e se recusa a fazer trinta anos com o seu atual estado civil. Pois veja bem, Nina é daquelas garotas que não tem muita sorte no amor. Não é como Pâm, que casou com Domênico, que usa roupas de marcas caras e tem o carro do ano. Compra sem pedir desconto e nem parcelamento, vive viajando com o marido para os lugares mais exóticos do mundo. Sem contar que ela é uma loira muito bonita, magra e elegante. Ela é dessas garotas que queria um Domênico pra si, um cara fofo, romântico, fiel e gentil, mas que é difícil conseguir. Durante todos esses anos, ela só teve relacionamentos tortos e desastrados. Nenhum que possa ser classificado como “normal”. Em todos ela foi enrolada, traída e abandonada. Sua melhor amiga, Manu que o diga. Ela tem vinte e nove anos e é a mais desconfiada das três. Ela só acredita em fatos comprovados. Dificilmente alguém a engana ou passa uma mentira sem que ela perceba. Mas ela tem uma coisa que irrita muito: se acha a “sabe-tudo” quando o assunto é homem.

Quando as três garotas se separaram para fazerem faculdades, Pâm criou a Noite do Batom, todas as quintas-feiras desde… desde que entraram na faculdade. Tudo para colocar o papo em dia e falar mal dos homens. E são nesses encontros que vamos rir à beça das mancadas de Nina, das tiradas de Manu e da vida perfeita de Pâm.

“Eu vou me entregar e dar meu máximo pra conseguir perdoar, curar feridas e ficar livre de tantos sentimentos ruins que carrego.”

Entre tantas e boas, surgem alguns personagens imprescindíveis na história: Nathan e Alexander. Agora todos os personagens estão ligados pelo passado, pela busca de novos sonhos e uma nova realidade. Surge então o OFI – Operação Faxina Interior – afim de realizarem a tal faxina na alma e no espírito. A ideia tinha que ter vindo da Manu, claro, e no começo todos eles estavam super empolgados, encarando tudo como uma mera brincadeira. Mas não é que a coisa foi pegando consistência e virou em um plano super bacana que consiste em saírem de Campinas e irem a São Paulo, ao Bali, uma balada ótima que tem por lá; passeio de balão em Piracicaba; Curitiba, com direito a passeio de trem até Paranaguá e explorar o litoral catarinense. Os quatro embarcaram em uma viagem repentina, sem planos. Apenas com um objetivo – realizar uma faxina interna – e, de repente, encontraram algo importante que tinha escapado de suas vidas abruptamente.

“… Podem até maltratar meu coração, que meu espírito ninguém vai conseguir quebrar.”

É impossível você não se encantar com o Nathan, amigo de Manu. Mas veja se você também não se encantaria: o cara é artista plástico e fazia alguns trabalhos como fotógrafo (ai que amor). Além disso, tem uma paixão secreta por cinema . É espontâneo, inteligente, com um jeitinho relaxado e desencanado de ser. Eu me encantei com o Nathan do começo ao fim mas esperava algo mais para ele.
Alexander é o tipo de cara que surgiu misteriosamente na vida das meninas e tinha um ar meio cigano na minha forma de imaginá-lo. Um homem de presença, sabe? Mas não deixa de ter sua simpatia, sua humildade e até desconfio se existem homens assim por aí… (existe, Leila?)

Durante a leitura a gente vai descobrir tanto sobre nós mesmos. Ou redescobrir, talvez. Uma ideia que ficou muito clara para mim é que a vida é de fato muito simples, quando temos confiança de que tudo vai dar certo. E com o tempo a gente descobre junto com cada personagem sentimentos que às vezes nos incomodam também. “Comecei a imaginar como a vida é misteriosa. Cada suspiro, cada passo e cada segundo de tempo podem mudar completamente nosso futuro, sem que nós nunca saibamos quais seriam as outras direções que poderíamos ter seguido.”

“- Sabe, desta vez eu não vou me jogar, como sempre fiz. Quero estar certa do que vou fazer. Quero escolher o melhor para mim… Quero me amar mais antes de amar demais alguém.
– Mas se tiver que errar, erre novos erros.”

Como disse no comecinho do post, quando se trata de Leila Rego eu não hesito em abrir o livro e esperar o melhor dela! Uma das melhores escritoras de chick-lit no Brasil, a autora me faz guardar os melhores trechos, as melhores anotações no caderninho de cabeceira. Sabe aquela ousadia leve, aquela malícia com pudor? Os personagens, de uma forma ou de outra, nos agradam, nos cativam. Um aspecto super bacana que identifiquei no livro é que a época em que a história ocorre é a mesma em que as máquinas digitais eram a última novidade tecnológica do momento. Ou seja, estamos na década de 90! A narrativa sob o ponto de vista de Nina é super divertida e fluiu super bem. E, para os fãs de Legião Urbana, vocês irão se identificar com cada trecho do livro!
Obrigada, Leila, por mencionar Mato Grosso do Sul durante a história! Amei!

Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração. E quem irá dizer que existe razão?

Quem já leu “Amigas (im)perfeitas: Juntas no amor, na dor e no rock’n’roll”?? Compartilhe conosco sua opinião! Eu não vejo a hora de ler o novo lançamento da autora, “A segunda vez que te amei”, também publicado pela Site da Gutenberg!
Beijos di moça!

Leila Rego

Leila Maria Vicente Dias Rego nasceu em junho de 1974, em Cafelândia, Paraná. Aos quatro anos mudou-se com a família para Alta Floresta, Mato Grosso, onde não havia sequer energia elétrica. Sem televisão, “no meio do nada”, sua infância foi regada de histórias, livros e brincadeiras com os dois irmãos mais velhos.
Os primeiros anos de estudo foram numa escola rural da região, na qual a inesquecível professora Gorette dava aula, numa mesma sala, para alunos de séries diferentes. O desejo de viajar e conhecer outras culturas foi determinante para que, anos mais tarde, optasse pela faculdade de Turismo – cursada em Foz do Iguaçu, Paraná. Entretanto, sua mudança para São Paulo, em 2000, abriu oportunidades em empresas privadas, onde trabalhou por diversos anos na área de Recursos Humanos.


Site da autora | Site da Gutenberg


• Hey! Deixe um comentário aqui •

• Temos 16 comentários nesta postagem" •

camila, disse: - 22-01-2014 (23:26)

Amei, simplesmente! Nunca li nada dela e gostei dessa história.. algo que leria com certeza :)

http://www.chadecalmila.com

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Aah não, a senhorita está convocada a ler um livro da Leila Rego!! Comece por Pobre Não Tem Sorte, você vai rir muito com essa história!!
:*




Nessa, disse: - 23-01-2014 (07:57)

Oi Jeh!

Agora vc super me animou para ler o livro. Menina faz um ano que eu comprei este livro, e sempre acabo deixando a leitura para depois. Ameii sua resenha e vou já colocar ele para minha lista de leituras para este ano.

Beijinhos*

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Aaah não Nessa, não deixe pra depois porque você está perdendo uma aventura leve e descontraída que vale a pena todas as páginas! Quero saber depois sua opinião sobre o Nathan, hahaha!
Beijos!




Juliana, disse: - 23-01-2014 (13:23)

Que fofa a história! Amei a resenha, o livro parece ser maravilhoso! E o melhor, brasileiro e com cenários reais. Aposto que dá a maior vontade de conhecer todos os pontos descritos no livro e o melhor é que é bem mais possível do que os livros gringos xD

Beijos!

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Exatamente Ju, a gente consegue se localizar nos ambientes em que as histórias se passam justamente por serem cenários brasileiros (e reais). Eu adoro! Quando os personagens foram para o litoral catarinense, ai meu Deus, que saudades me deu das viagens que eu fazia por aquelas bandas….

Beijos!




Simone, disse: - 23-01-2014 (17:53)

Jeh, os livros da Leila tem mesmo esse poder de entreter e ainda nos levar de volta a juventude e adolescência com cenas hilárias. Adoro o jeitinho que ela escreve :-)
Bjs

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Uma maravilha né Si? Eu tive a oportunidade de conhecê-la através de PNTS (um e dois) e até conhecê-la na Bienal, o que me deixou mais feliz ainda!
Tenho certeza que você vai adorar “Amigas (im)perfeitas”!
:*




Carolina, disse: - 23-01-2014 (18:02)

Já amei, Jeh! HAHAHA Primeiro me apaixonei pela capa, depois pela sinopse e quando li sua resenha… Já viu, né?
Agora quero logo ler, estou precisando de um livro gostoso assim.

Beijão

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

A capa é linda né Carol? Mas devo lembrá-la de que a editora Gutemberg lançou uma segunda capa e não sei se esta ainda está no mercado…. :x
O livro é super light mas impossível não rir e se aventurar com os personagens! Eu amo Leila Rego!
:*




Lindsay Leão, disse: - 23-01-2014 (19:04)

Que máximo deve ser esse livro, uma super aventura!
Ainda não li nada da Leila, mas a julgar pela sinopse e pela sua resenha, sinto que não vou me arrepender.
Beijos

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

Eu adorei Lind! Uma aventura mesmo porque a gente não fica no mesmo cenário. Viajamos juntos com os personagens e lidamos com as mesmas situações que eles, muito bom!
Beijos!




Clarissa Carino, disse: - 24-01-2014 (13:16)

Boa resenha! O livro parece bem legal, leve sem ser bobinho… ;)

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

É muito bacana Clari! A Leila adora explorar os pontos turísticos e as cidades do nosso Brasil e a leitura fica muito prazerosa! Tenho certeza que você vai curtir!
:*




Flávia, disse: - 25-01-2014 (14:24)

eu gostei da ideia do livro! Aliás, quando me formei no colégio, até planejei fazer isso de encontrar minhas amigas uma vez por semana, mas acabou que nos encontramos aleatoriamente mesmo haha
parece bem divertido!
xx
Flávia – http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

Jeh Asato Jeh Asato, respondeu:

É super gostoso de ler, Flávia! E, literalmente, viajamos por vários lugares do Brasil! A Leila é incrível!
:*




@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo