categoria2 category image

Louca para casar :: Madeleine Wickham

31 . julho . 2013

E os anjos cantam “aleluia” porque finalmente a resenha de Louca para casar está no ar! (Ipi, ipi, urra)!
A editora Record enviou um exemplar para o Di Moça resenhar e já faz um tempinho. Espero que minhas impressões ainda signifiquem alguma coisa para vocês, leitores. #dramaqueen
Espero que gostem.

Louca para casar (The Wedding Girl)
Autora: Madeleine Wickham
Páginas: 348
Editora: Galera

* Livro enviado pela editora como cortesia.
Sinopse:

Milly está a quatro dias de um casamento digno de contos de fada com Simon, um jovem rico por quem é perdidamente apaixonada. É a cerimônia mais aguardada do ano pela alta sociedade, mas um detalhe pode pôr tudo a perder. Dez anos antes, Milly se casou com um amigo americano gay para que ele vivesse na Inglaterra com o parceiro, mas logo ambos perderam o contato e nunca se divorciaram. Tudo permaneceria em segredo se não fosse a chegada de Alexander, o fotógrafo, que por acaso também presenciou a primeira união. Agora ela terá que correr contra o tempo para encontrar o “marido” e obter o divórcio antes que todos descubram que a noiva, na verdade, já é casada.

Créditos: Skoob

“Queria não ser nada, apenas uma pessoa em um trem, sem precisar tomar decisões, sem nada para fazer a não ser escutar o barulho das rodas sobre os trilhos e observar os rostos despreocupados de outros passageiros lendo livros e revistas. Queria adiar a vida o máximo possível.”

A sinopse ali em cima já resume muita coisa mas preciso contar sob o meu ponto de vista, né? *-* Pois bem. A autora (Madeleine Wickham) nos apresenta uma personagem com 28 anos, em Oxford. Na verdade ela chegara a Oxford há apenas três semanas. Eram férias e, enquanto seus amigos planejavam viagens à Ibiza, Espanha e Amsterdã, Milly tinha sido enviada a um curso de secretariado em Oxford. A verdadeira intenção de Milly era um bronzeado e um namorado. Afora isso, não queria saber de mais nada.
Durante sua viagem, ela conhece um casal gay, Allan e Rupert de forma bem inusitada. Ouviram jazz em um velho gramofone, beberam julepo de menta, e ela aprendera a enrolar cigarros de maconha. Em uma semana, eles se tornaram um trio inseparável. Dadas as circunstâncias, a personagem aceita a proposta de se casar com Allan para ajudá-los a permanecer em Oxford. Ninguém saberia desse fato, era uma coisa tão banal. Não era? Não é?

“Como podemos viver em paz se negamos aquele a quem realmente amamos?”

Dez anos depois, Melissa Grace Havill, ou Milly, está prestes a casar com Simon Pinnacle, filho do grande Harry Pinnacle. Em Bath, os preparativos já estão em andamento, Milly está super empolgada, bem como Simon. A casa dos Havill, na Bertram Street, era uma das pensões mais populares de Bath. Tinha tudo para ser o casamento do ano, cheio de luxo, como a senhora Olivia Havill tinha em mente. Era o momento da sessão de fotos com um fotógrafo que Milly conhecia, de algum lugar… Mas de onde? Ai não, ela reconhecia aquele rosto! Era o rapaz que ela vira em Oxford depois do casamento com Allan, aquele que apanhara seu véu durante uma pequena confusão em frente ao cartório.. Ele estava mais velho, com o rosto mais sério, e tinha uma barba rala. Alexander Gilbert também se recorda de Milly e, pior de tudo, do casamento com o cara de dez anos atrás. E agora?? Enquanto o fotógrafo faz brincadeiras com o acontecido, Milly tem que se virar para ir atrás de Allan e cancelar o bendito casamento (que não valia de nada, ela só queria ajudar os caras, poxa!).

“- Tudo se resumiu a três minutos em um cartório. Uma simples assinatura, há dez anos, perdida em algum documento que ninguém nunca mais verá.”

Milly precisa da ajuda de sua irmã, Isobel, mas a moça também tem seus próprios assuntos para resolver e, bem, tempo ao tempo. Enquanto isso, Milly voltará a Oxford para solicitar o divórcio. Só que nem tudo é do jeito que a gente bem quer e muitas vezes guardar um segredo pode “amaldiçoar” sua vida para sempre.

Ok, exagerei um pouco no contexto mas, basicamente, é isso o que vocês precisam saber. Madeleine Wickham, muito mais conhecida por nós como Sophie Kinsella é a autora desde romance-meio-drama. Quando peguei os livros na mão, li a sinopse, me encantei com a capa e li “Louca para casar”, imaginava que se tratava de algum romance meio chick-lit. Poxa, é a própria Sophie escrevendo, mas com outro nome. Alguma coisa engraçada e muito divertida tinha que sair de dentro do livro, né? Mas eu não encontrei isso. A autora conseguiu separar bem os dois nomes, com gêneros bem diferentes.
Narrado em terceira pessoa, Madeleine mantém o foco em discutir sobre temas como a homossexualidade, o relacionamento familiar, o passado mal resolvido, o aborto, a religião, o ódio e o amor. Mas tudo isso de forma séria, bem construída e sem um pingo de comédia. Claro, uma vez ou outra você dá um sorriso mas nada de gargalhadas. A autora evita usar gírias ou palavras “maneiras”. Um ponto positivo é que a Madeleine não foca apenas em Milly. Ora temos um capítulo na perspectiva de Isobel, de Olivia, de Simon e até de Rupert. Depois que li o livro concluí que o título não condiz com a história. Louca para casar me faz pensar que uma personagem, no caso Milly, queria desesperadamente se casar e por isso vai atrás do casal gay para romper o casamento. Mas não é só isso que o livro aborda. #esclarecendofatos

“- Acho que eu só quero que você precise de mim.”

De um modo geral, o livro é bom. Mas não tão bom quanto os livros da Sophie Kinsella, entendem? Gostei da tentativa da autora em partir para um romance com temas mais profundos mas ainda prefiro a escrita e a narrativa da Sophie, flui mais. Este foi o primeiro livro escrito pela autora como Madeleine Wickham e, talvez, eu leia os outros títulos dela (por exemplo, Quem vai dormir com quem?). Por enquanto vou ficar com a Sophie na minha estante.

Quem já leu? Conte aqui nos comentários o que você achou! Será muito bom ler opiniões semelhantes ou totalmente divergentes!

E hoje o Di Moça estreia a coluna Resenha Premiada! (Batam palmas). A resenha premiada tem como objetivo falar sobre o livro, como temos feito até agora, e no final sortear um exemplar do mesmo! Uau, gostaram? Não serão todos os livros resenhados para sorteio, por isso fiquem ligados se o post virá com a tag resenha premiada.

Para participar é super fácil!

Comente nesta resenha;
Curta a página do Di Moça no Facebook;
Curta a página da Galera Record no Facebook;
Siga e preencha as informações no Rafflecopter abaixo:


a Rafflecopter giveaway

Atenção!

Promoção válida apenas em território nacional.
Confira se você seguiu todas as regras no post.
Início dia 31/07 e término dia 15/08.
O sorteado terá 2 dias para responder o e-mail enviado pelo blog Di Moça.
Assim que recebido os dados de envio, o Di Moça terá até 30 dias para enviar o prêmio.
Em caso de dúvidas, entre em contato

Um beijo di moça e dedos cruzados!

Resultado

Parabéns Jois Duarte! Você ganhou um exemplar do livro Louca para casar! Verifique sua caixa de e-mail e responda com seus dados de envio para o Di Moça! *-*
Obrigada a todos!

Madeleine Wickham

Madeleine Wickham nasceu em Londres e é uma escritora britânica. Foi uma ex-jornalista de economia, com especialização na área financeira e começou uma carreira como escritora. Também é conhecida (e mais conhecida) como Sophie Kinsella e já lançou vários livros com este nome, como a famosa série “Os delírios de consumo de Becky Bloom”.


Site da autora| Site da Galera Record
categoria2 category image

Entre no mundo de Stephen King

30 . julho . 2013

Se você ainda não leu Stephen King com certeza sabe o que está perdendo. Considerado um dos mestres da literatura de terror e suspense, o escritor alcançou milhares de mentes e assustou muitas pessoas com suas tramas bizarras. Pra você ter noção, o cara é tão bom que conseguiu passar para o seu filho, Joe Hill, um pouco desse talento macabro. Pai e filho criando histórias de arrancar os cabelos!

Meu primeiro contato com o autor foi aos quinze anos com o livro O Cemitério e, gente do céu, que livro maravilhoso! Pra quem gosta de terror e suspense, pá, pode comprar porque vai morrer de medo! Eu adorava lê-lo de madrugada e algumas vezes levava uns sustos com os barulhos além-quarto.
Por que, sempre que estamos lendo ou vendo algum terror, os nossos ouvidos ficam mais aguçados e escutam coisas nada-a-ver?
A partir de então incluí vários livros do autor na minha lista de leituras e adorei me aventurar em cada história cheia de mistério! Alguns livros me decepcionaram, claro, mas em suma, os que li foram maravilhosos!

Pensando nos grandes fãs do Stephen, a partir do dia 1° de agosto teremos a Fanpage exclusiva do autor no Facebook! A editora Suma de Letras trouxe essa mudança para substituir o aplicativo da rede social dedicada ao escritor. Assim será bem mais fácil curtir e acompanhar as novidades! *-*
E não é só isso! Um título diferente será sorteado a cada dia, durante 30 dias! Ai gente linda, quero muito concorrer porque preciso de outros livros do autor na minha estante (como “O Cemitério”, que mencionei no começo do post)!

Se você não tem ideia de quem seja o autor, tente se lembrar então dos filmes maravilhosos que você viu em casa ou no cinema. Carrie, A estranha (que, aliás, terá remake esse ano, iupi!), À espera de um milagre (“putz grila”, esse livro é incrível!); O iluminado (o livro é bem mais macabro que o filme e precisa de um remake também!); A coisa (demorei seis meses pra terminar o livro só porque tenho um medo descomunal de palhaços) e O apanhador de sonhos (esse ainda não li) Fora as minisséries que são baseadas nos livros do SK!

O último lançamento do autor pela Suma de Letras foi Sob a redoma e parece fantástico!

Em um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Aviões explodem quando tentam atravessá-lo e pessoas trabalhando em cidades vizinhas são separadas de suas famílias. Ninguém consegue entender o que é esta barreira, de onde ela veio e quando — ou se — ela irá desaparecer.

Os moradores de Chester’s Mill percebem que terão de lutar por sua sobrevivência. Pessoas morrem, aparelhos eletrônicos entram em pane ao se aproximar da redoma e a situação fica ainda mais grave quando a cidade se vê exposta às graves consequências ecológicas da barreira. Para piorar a situação, James “Big Jim” Rennie, político dissimulado e um dos três membros do conselho executivo da cidade, usa a redoma como um meio de dominar a cidade.

Enquanto isso, o veterano da guerra do Iraque, Dale Barbara, é reincorporado ao serviço militar e promovido à posição de coronel. Big Jim, insatisfeito com a perda de autoridade que tal manobra poderia significar, encoraja um sentimento local de pânico para aumentar seu poder de influência. O veterano se une a um grupo de moradores para manter a situação sob controle e impedir que o caos se instaure. Junto a ele estão a proprietária do jornal local, uma enfermeira, uma vereadora e três crianças destemidas.

No entanto, Big Jim está disposto até a matar para continuar no poder, apoiado por seu filho, que guarda a sete chaves um segredo. Mas os efeitos da redoma e das manobras políticas de Jim Rennie não são as únicas preocupações dos habitantes. O isolamento expõe os medos e as ambições de cada um, até os sentimentos mais reprimidos. Assim, enquanto correm contra o pouco tempo que têm para descobrir a origem da redoma e uma forma de desfazê-la, ainda terão de combater a crueldade humana em sua forma mais primitiva.

Se você se interessou pela história, a Suma de Letras disponibilizou o livro na versão digital! Por enquanto só temos na Amazon mas logo será disponibilizado em outras livrarias (Saraiva, Kobo, Apple, etc.)!


Compre o seu exemplar digital aqui

Livros que eu já li e recomendo: À espera de um milagre, O Cemitério, Carrie a Estranha, A maldição do cigano, A coisa e O Iluminado.
Livros que eu li e não gostei: Buick 8, Insônia, Os olhos do dragão.

E vocês, já leram os livros do Stephan-divo-King? Quais livros vocês mais gostaram e indicam para o Di Moça? Quero dicas hein!
Um beijo di moça!

categoria17 category image

Quote da Semana (John Green)

29 . julho . 2013

Gente do céu, que frio foi esse?!?! Meus lábios ficaram super ressecados, credo! Só eu que fico feia e toda acabada no frio? Porque, quando vejo fotos das pessoas, elas parecem tão divas! A pele fica branquinha, as bochechas rosinhas, o cabelo todo fofo e as roupas chiquérrimas! Enquanto isso eu sofro com a boca rachada, três casacos de frio, dois moletons e os cabelos oleosos por falta de lavagem, rá-rá.
Semana passada eu tinha muitas ideias para postagens diárias mas eis que fiquei doente, de repente. Fiquei com medo de ser quebrante, mal olhado e estava quase pra tomar um banho de sal grosso. Até que fui ao hospital e foi diagnosticado faringite. Credo, que coisa horrível! Achei que Jesus estava me chamando pro outro lado. Depois de ser medicada e tomando antibiótico em casa, estou bem melhor, não se preocupem! ;)
Essa semana teremos muitas novidades aqui no Di Moça, se der tudo certo claro! Sempre tenho que contar com os imprevistos da vida!
Vamos começar a semana com um quote de um livro-lindo-de-viver e recomendo para todos os apaixonados por livros!

Meme criado pela Tamara do blog true-luv.com

Mas todo mundo deveria ter um amor verdadeiro, que deveria durar pelo menos até o fim da vida da pessoa.
— A Culpa é das Estrelas (John Green)

Linda frase, né? Esse livro é muito lindo! Se você quiser ler a resenha, é só conferir aqui no blog! E já fica como dica de leitura para essa semana, que tal? ;)
Um beijo di moça!

categoria15 category image

Di Moça estrea coluna “Estante” na Mood Life

25 . julho . 2013

Para quem (ainda) não me conhece, sou uma moça-mulher de 25 anos que sonha sonhos improváveis. Um deles é ter um feedback super bacana do Di Moça e torná-lo parte da minha renda mensal. Dez anos atrás isso seria tolice mas agora isso é possível, sim. Os blogs se tornaram um meio de comunicação e divulgação (marketing) viável. Mas esse não é o tema de hoje.
O que eu quero compartilhar com vocês é a maravilhosa notícia que recebi mês passado e foi concretizado neste. O blog Di Moça estreou a coluna Estante da revista Mood Life!

A Mood Life é um convite à uma vida com mais. Suas páginas apontam tendências, norteiam escolhas e antecipam imagens e produtos in. Uma publicação lida por gente que gosta de viver bem, que busca referência e se identifica com decoração, viagem, gadgets, arte, música, pele mais jovem, mente leve e corpo em dia.

Facebook | Site

A revista Mood Life encarou, com muito entusiamo, o novo projeto gráfico da revista. Com certeza deve ter sido um trabalho extenso e que exigiu noites com uma xícara de café ao lado para recompor as energias.

Nova tipologia, novos padrões de cores e diagramação. Mas não foi só visualmente que mudamos, agora, nas páginas da Mood Life, abordaremos temas empresariais, políticos, além de nossas tradicionais matérias de decoração, arquitetura, cultura, viagem e novidades em estilo, tecnologia e carros. Nosso time de colaboradores também ficou maior para trazer opiniões diversas sobre vários temas.

A partir destas mudanças, o Di Moça foi convidado exclusivamente para estrear a nova coluna da revista, Estante. Nesta coluna indicamos um livro, um CD e um filme para os leitores. Eu adorei participar da coluna, principalmente no que diz respeito a livros! Nós, amantes de livros e boas histórias, temos o maior prazer em indicar boas leituras, né? Tive um pouco de dificuldade para indicar um CD porque meus ouvidos estão em outros continentes, rs. Mas o resultado final ficou fantástico e estou boba até agora porque, pela primeira vez, pude compartilhar um pouco do que falo aqui em outro meio de comunicação!

E foi tão legal receber o exemplar em casa! Quando dei de cara com a Fafazinha no meu sofá, pulei em cima da revista, tirei do plástico e já fui vasculhando “onde estou, onde estou, onde estou…”. E, quando você olha sua foto e suas palavras realmente impressas em uma revista, ah, os olhos enchem de lágrimas! E eu fui mostrando para todo mundo aqui em casa (será que meu conceito subiu um pouco aqui?)! Meu pai veio nos visitar e, quando mostrei a revista, ele ficou todo orgulhoso! No outro dia pediu o exemplar emprestado para mostrar para os amigos que “a filha dele saiu na revista de Campo Grande -MS.”
Essas coisas podem parecer idiotas, fúteis ou só para me gabar mas quero dizer que, se você pensa de alguma dessas formas, por favor, entenda da forma certa. Estou compartilhando com vocês um pequeno passo que dei após anos tentando dá-lo. De todas as formas, de todos os ângulos, tenho tentado dar um passo. Para os blogueiros que me acompanham desde o Meine Liege, sabem das dificuldades que enfrentei e enfrento. Esse é um passo que jamais imaginei alcançar.

E eu só conquistei uma página de uma revista por causa de vocês! É, você mesmo que está lendo esse post neste exato momento. Se é a sua primeira vez no blog, muito obrigada! Você já faz parte desse processo comigo! Se você já veio várias vezes aqui, esse passo dado foi pensando em vocês que me apoiaram, me incentivaram, tiveram a maior paciência (tipo a paciência de Jó) comigo e com o blog!
Muito obrigada a todos vocês, que visitam, comentam, curtem, divulgam o blog para os amigos, vizinhos, parentes. Mil vezes, obrigada!


Sei que o momento é de alegria e comemoração, mas peloamordeDeus, eu sou só o fiapo da mandioca, credo!

Se você mora em Campo Grande (MS) e quiser prestigiar o trabalho de uma conterrânea, vá à banca mais próxima e adquira a sua Mood Life, edição 33!
Obrigada pelo carinho de todos vocês!! Sejam sempre bem vindos!
Um beijo di moça com faringite!

@blogdimoca no Instagram!

Di Moça :: Colecionando sonhos e palavras! - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2015 - Ilustração por Juliana Rabelo